Artigos amor interessantes

Praeambula Fidei, artigo do Prof.Edward Feser

2020.11.20 15:15 BlindEyeBill724 Praeambula Fidei, artigo do Prof.Edward Feser

Praeambula Fidei, artigo do Prof.Edward Feser


Segue a tradução do artigo do Prof.Edward Feser em torno do Praeambula Fidei (por que isso é importante à apologética cristã, ver o post introdutório deste subrredit¹), encontrado originalmente em → http://edwardfeser.blogspot.com/2012/01/point-of-contact.html, com alguns outras traduções contextuais para que o leitor tenha acesso facilitado. Também realizarei alguns comentários quando julgar pertinente, espero que aproveitem algo (os comentários seram precedidos de CT, comentário do tradutor).
PONTO DE CONTATO
Bruce Charlton identifica seis problemas para os apologistas cristãos modernos² e propõe uma solução. Suas observações são todas interessantes, mas eu quero me concentrar no primeiro e mais fundamental dos problemas que ele identifica, que é que o conhecimento metafísico e moral que mesmo os pagãos tinham no mundo antigo não pode mais ser tomado por certo:
O cristianismo é um salto muito maior da modernidade secular do que do paganismo. O cristianismo parecia a conclusão do paganismo - um ou dois passos adiante na mesma direção e construindo sobre o que já estava lá (na cosmovisão clássica, CT): as almas e sua sobrevivência além da morte, a natureza intrínseca do pecado, as atividades de poderes invisíveis e assim por diante. Com os modernos, não há nada sobre o que construir (exceto talvez memórias de infância ou realidades alternativas vislumbradas através da arte e da literatura).
Desse problema seguem-se muitos outros, continua Bruce:
O Cristianismo moderno, conforme experimentado pelos convertidos, tende a ser incompleto - precisamente porque o Cristianismo moderno não tem nada sobre o que construir. Isso significa que o Cristianismo incompleto moderno carece de poder explicativo, parece ter pouco ou nada a dizer sobre o que parecem ser os principais problemas da vida. Por exemplo, o Cristianismo moderno parece não ter nada a ver com política, direito, arte, filosofia ou ciência; habitar um reino minúsculo e cada vez menor, isolado das preocupações diárias. O cristianismo moderno frequentemente exclui milagres; pecado original; o nascimento virginal, a encarnação e a natureza dual de Cristo; A morte, ressurreição e expiação de Cristo; a Santa Trindade; anjos, demônios e guerra espiritual invisível e assim por diante - mas sem esses e outros elementos, o cristianismo não se mantém unido nem satisfaz o anseio humano.
E
O Cristianismo moderno muitas vezes parece superficial - parece confiar demais no ditame das Escrituras e da Igreja - isso porque os modernos carecem de uma base nas percepções espontâneas da Lei Natural, do animismo, do senso de poder sobrenatural ativo na vida cotidiana. O Cristianismo moderno (após a primeira onda de experiência de conversão), portanto, parece seco, abstrato, legalista, proibitivo, não envolvente, sem propósito.
Como se costuma dizer, leia tudo. Acredito que haja muita verdade no que Bruce tem a dizer. Para ter certeza, nem por um momento penso (e presumo que Bruce não pense) que o Cristianismo realmente é "superficial", "incompleto", "seco", "sem propósito", desprovido de “Poder explicativo”, com “nada para construir” por meio de um terreno comum com a modernidade secular, etc. Muito pelo contrário. Mas concordo que pode parecer assim para muitas pessoas modernas. (Parecia mais ou menos assim para mim em meus dias ateus, antes de descobrir o que o Cristianismo, e em particular o Catolicismo, realmente disse - isto é, o que seus maiores representantes realmente sustentaram historicamente, em contraste com as distorções do cristianismo, seja liberal ou fundamentalista, que o substituiu em grande parte da opinião pública.)
O problema, em parte, é de circunstâncias históricas e culturais. Veja um exemplo simples, a descrição cristã de Jesus Cristo como Senhor e Salvador. Para as pessoas modernas, esse tipo de conversa pode soar insuportavelmente piegas; na verdade, às vezes acho isso insuportavelmente piegas, a menos que o contexto seja capaz de neutralizar as terríveis associações culturais que passaram a cercá-lo. Portanto, se estou ouvindo uma referência a Jesus como Senhor ou Salvador no contexto da Missa (seja a forma extraordinária ou a forma ordinária celebrada de forma digna), isso não me incomoda de forma alguma; mas se o ouço proferido por um televangelista, sinto (talvez como um Dawkins ou um Hitchens sentiriam) uma necessidade irresistível de mudar de canal.
Pense, porém, nas associações que uma palavra como “Senhor” teria para alguém no mundo antigo ou medieval - faria lembrar um imperador ou um aristocrata. Pense no que "Salvador" significaria em um contexto cultural onde antigas comunidades locais estavam sendo engolidas por impérios implacáveis ​​e aparentemente invencíveis, e onde sistemas morais rigoristas como o estoicismo e o neoplatonismo competiam pela lealdade da intelligentsia - isto é, digamos, onde as pessoas tiveram uma sensação contínua de estarem em perigo físico real e de fracasso moral pessoal contínuo. Uma descrição de Jesus de Nazaré como "Senhor" e "Salvador" teria o reverso das conotações sentimentais e efeminadas que os secularistas ouvem agora - pode trazer à mente um Constantino severo cavalgando para o resgate a cavalo, digamos, em vez de um Mister Rogers com cabelo comprido e sandálias, pronto com um sorriso e um Band Aid para nossa estupidez espiritual.
Combine a política igualitária, a moral fácil e a riqueza relativa e a estabilidade social das últimas décadas, e poucas pessoas no mundo secular moderno estão procurando por um Senhor ou Salvador no sentido que os antigos e medievais teriam entendido. Adicione a isso o fato de que "Jesus é o Senhor!" tornou-se a expressão de uma religiosidade emocional e terapêutica veiculada por meio de camisetas, adesivos de para-choque e música ruim produzidos em massa, e toda a ideia é destinada ao secularista moderno a parecer ininteligível e repulsivamente cafona. (Raspe um Novo Ateu e você frequentemente descobrirá que este é o tipo de coisa contra a qual ele está reagindo, e tudo o que ele conhece do Cristianismo.)
Então, isso é parte do problema. Mas isso pode ser remediado se os proponentes de uma forma de cristianismo muscular e intelectualmente rigorosa - ou seja, do cristianismo simpliciter, como existiu historicamente - redescobrirem sua herança ancestral. Com isso, eles redescobrirão também a herança do mundo pagão e encontrarão nela os recursos para se comunicarem com o homem moderno, na verdade com qualquer homem. Os aristotélicos e os neoplatônicos sabiam que Deus existe, sabiam que o homem não é uma criatura puramente material, sabiam que o bom e o mau são características objetivas do mundo e que a razão nos direciona a buscar o bem. Eles sabiam dessas coisas através de argumentos filosóficos que não perderam nada de sua força, argumentos que foram recolhidos e refinados por pensadores cristãos e que informaram a grande tradição escolástica.
Como o Papa Leão XIII expressou belamente em Aeterni Patris, os tesouros intelectuais dos pagãos são como os vasos de ouro e prata que os israelitas tiraram do Egito, prontos para serem empregados a serviço da verdadeira religião. Assim, a Escolástica, cujo renascimento esta encíclica promoveu, felizmente, adotou tudo o que era de valor no pensamento de gregos e romanos, judeus e árabes. Com filosofia como com arte, literatura e arquitetura, se você quiser aprender o que os maiores não-cristãos têm a oferecer, venha para a Igreja, que o absorve e protege - honrando nossa natureza divinamente dada e seus produtos, mesmo enquanto ela cria eles mais elevados pela graça. Ela lembra ao homem o que ele já sabe, ou pode saber, por meio de seus próprios poderes, antes de revelar a ele verdades que ele não poderia chegar por conta própria. Ela fala com ele em sua própria língua - a linguagem da teologia natural e da lei natural, que são, em princípio, acessíveis a todos, e não têm prazo de validade. Até os secularistas modernos conhecem essa linguagem, pois não são menos humanos do que seus ancestrais pagãos. O problema é que eles falam isso apenas no nível de escola primária ou mesmo no jardim de infância, enquanto o maior dos antigos pelo menos tinha proficiência relativa ao ensino médio. Mas, por meio da educação, eles, como os antigos pagãos, podem ser preparados para o trabalho de pós-graduação proporcionado pela revelação divina.
Esta é, obviamente, a ideia do que Tomás de Aquino chamou de praeambula fidei - os preâmbulos da fé, pelos quais a filosofia abre a porta para a revelação (onde a fé e a revelação, tenha em mente, corretamente entendidas, não são de forma alguma contrária à razão, mas um desenvolvimento - expliquei como na primeira metade de um post anterior³). Mas isso nos leva a outro problema. Como o fariseu que despreza a piedade e virtude sincera do samaritano, alguns cristãos desprezam a teologia natural e a lei natural como ímpias ou pelo menos questionáveis. Eles desprezam a natureza humana e, com ela, qualquer compreensão não-cristã de Deus e da moralidade, como algo totalmente corrupto e sem valor; ou eles estão dispostos, pelo menos verbalmente, a afirmar essa natureza, mas apenas se ela for efetivamente absorvida na ordem da graça, como o monofisista que está disposto a reconhecer a natureza humana de Cristo apenas se primeiro ela for completamente divinizada. Na primeira tendência, somente a fé e as Escrituras devem ser suficientes para trazer alguém ao Cristianismo, os preâmbulos que se danem. Sobre este último, a natureza humana é concebida de uma forma que (para tomar emprestado uma frase do Papa Pio XII) ameaça "destruir a gratuidade da ordem sobrenatural" ao elevar o natural ao sobrenatural, tratando de fato a teologia natural e a lei natural como se apenas o cristão pudesse entendê-los corretamente. Em ambos os casos, o cristianismo pode vir a parecer uma questão de mero diktat (como diz Bruce Charlton) - fideísta, inacessível e irrelevante para o mundo dos não crentes.
A primeira tendência, obviamente, está associada a Lutero e Calvino, embora seja justo reconhecer que há protestantes que resistiram a ela. Ao mesmo tempo, sua própria resistência é frequentemente resistida por seus correligionários, como é ilustrado por uma famosa disputa entre os teólogos protestantes do século 20 Emil Brunner e Karl Barth. Brunner argumentou que a teologia natural representa um "ponto de contato" entre a natureza humana e a revelação divina, pelo qual a primeira pode ser capaz de receber a última (embora mesmo Brunner qualifique sua noção de "teologia natural", para que não implique a certeza da existência de Deus apenas pela razão natural como é afirmado pelo catolicismo). Barth respondeu com raiva (em uma obra com o título conciso "Não!"), Rejeitando qualquer sugestão de que a natureza humana contribui com algo para o "encontro" entre Deus e o homem e argumentando que qualquer "ponto de contato" necessário foi ele próprio fornecido pela revelação, em vez do que a natureza humana. Isso é um pouco como dizer que a bola de bilhar A bate na bola de bilhar B ao atingir, não a superfície de B, mas uma superfície fornecida por A. Se for inteligível, isso apenas empurra o problema para trás: Como a superfície fornecida por A em si tem alguma eficácia vis-à-vis B? E como o “ponto de contato” fornecido pela própria revelação faz qualquer contato com a natureza humana?
Também é justo apontar que alguns pensadores católicos modernos têm opiniões que pelo menos flertam com a segunda tendência que descrevi acima - embora em parte sob a influência de Barth. Hans Urs von Balthasar procurou encontrar Barth no meio do caminho, rejeitando a concepção do estado natural do homem desenvolvida dentro da tradição tomista e central para a Neo-Escolástica promovida por Aeterni Patris de Leo (uma concepção que eu descrevi em um post recente sobre o pecado original). Nessa visão tradicional, o objetivo natural dos seres humanos é conhecer a Deus, mas apenas de uma forma limitada. O conhecimento íntimo e “face a face” da natureza divina que constitui a visão beatífica é algo a que não estamos destinados por natureza, mas é um dom inteiramente sobrenatural que se tornou disponível a nós somente por meio de Cristo. No lugar dessa doutrina, Balthasar colocou o ensino de seu colega proponente da Nouvelle Théologie Henri de Lubac, que sustentava que esse fim sobrenatural é algo para o qual somos ordenados pela natureza. Se é mesmo coerente afirmar que um dom sobrenatural pode ser nosso fim natural, e se o ensinamento de Lubac pode, em última análise, ser reconciliado com a doutrina católica tradicional da "gratuidade da ordem sobrenatural" reafirmada por Pio XII, há várias décadas tem sido assunto de feroz controvérsia. Mas a implicação aparente (mesmo que não intencional) da posição defendida por de Lubac e Balthasar é que não existe uma natureza humana inteligível à parte da graça e à parte da revelação cristã. E, nesse caso, é difícil ver como poderia haver uma teologia natural e uma lei natural inteligível para alguém ainda não convencido da verdade dessa revelação.
Relacionado a isso está a tendência de Etienne Gilson de tirar a ênfase do núcleo aristotélico do sistema de Tomás de Aquino e apresentá-lo como uma "filosofia cristã" distintiva. Como Ralph McInerny argumentou em Praeambula Fidei: Thomism and the God of the Philosophers, a posição de Gilson, como a de Lubac, ameaça minar a visão tradicional tomista de que a filosofia deve ser claramente distinguida da teologia e pode chegar ao conhecimento de Deus à parte da revelação. Essas visões, portanto, “involuntariamente [corroem] a noção de praeambula fidei” e “nos conduzem por caminhos que terminam em algo semelhante ao fideísmo” (p. Ix).
O livro de McInerny, junto com outras obras recentes como O Desejo Natural de Ver Deus de Lawrence Feingold de acordo com São Tomás de Aquino e Seus Intérpretes e Natura Pura de Steven A. Long, marcam uma recuperação há muito esperada dentro do pensamento católico convencional de uma compreensão da natureza e graça que já foi moeda comum, e à parte da qual a possibilidade da teologia natural e da lei natural não pode ser adequadamente compreendida. Nem, eu diria, outras questões cruciais podem ser apropriadamente entendidas à parte dele (como o pecado original, como argumento na postagem vinculada acima). A confusão entre o natural e o sobrenatural também pode estar por trás de uma tendência em alguns escritos católicos contemporâneos de enfatizar exageradamente os aspectos distintamente teológicos de algumas questões morais. Por exemplo, uma exposição da moralidade sexual tradicional que apela principalmente ao Livro do Gênesis, a analogia do amor de Cristo pela Igreja ou a relação entre as Pessoas da Trindade pode parecer mais profunda do que um apelo (digamos) ao fim natural de nossas faculdades sexuais. Mas o resultado de tal ênfase teológica desequilibrada é que para o não crente, a moralidade católica pode (novamente para usar as palavras de Bruce Charlton) falsamente "parecer confiar somente no ditame da Escritura e da Igreja" e, portanto, apelar apenas para o relativamente "minúsculo e encolhido reino” daqueles dispostos a aceitar tal afirmações. Não conseguirá explicar adequadamente àqueles que ainda não aceitam os pressupostos bíblicos da "teologia do corpo" do Papa João Paulo II ou de uma "teologia da aliança da sexualidade humana", apesar de seus méritos, exatamente como o ensino católico é racionalmente fundamentado na natureza humana, em vez do comando divino ou eclesiástico arbitrário. A graça não substitui a natureza, mas a aperfeiçoa; e um relato que enfatiza fortemente o primeiro sobre o último está fadado a parecer infundado.
O próprio falecido percebeu isso, quer todos os seus expositores o façam ou não. Em Memória e Identidade, ele diz:
Se quisermos falar racionalmente sobre o bem e o mal, devemos retornar a Santo Tomás de Aquino, ou seja, à filosofia do ser [ou seja, à metafísica tradicional]. Com o método fenomenológico, por exemplo, podemos estudar experiências de moralidade, religião, ou simplesmente o que é ser humano, e tirar delas um enriquecimento significativo de nosso conhecimento. Porém, não devemos esquecer que todas essas análises pressupõem implicitamente a realidade do Ser Absoluto e também a realidade do ser humano, ou seja, ser uma criatura. Se não partirmos dessas pressuposições “realistas”, acabamos no vácuo. (p. 12)
E no capítulo V da Fides et Ratio ele advertiu:
“Há também sinais [hoje] de um ressurgimento do fideísmo, que não reconhece a importância do conhecimento racional e do discurso filosófico para a compreensão da fé, na verdade, para a própria possibilidade de crença em Deus. Um sintoma atualmente difundido dessa tendência fideística é um “biblicismo” que tende a fazer da leitura e exegese da Sagrada Escritura o único critério de verdade
Outros modos de fideísmo latente aparecem na escassa consideração concedida à teologia especulativa, e em desdém pela filosofia clássica da qual os termos da compreensão da fé e da formulação real do dogma foram extraídos. Meu venerado Predecessor, o Papa Pio XII, advertiu contra esse descaso com a tradição filosófica e contra o abandono da terminologia tradicional.”
E o Catecismo promulgado pelo Papa João Paulo II, citando Pio XII, afirmava que:
A razão humana é, estritamente falando, verdadeiramente capaz por seu próprio poder natural e luz de alcançar um conhecimento verdadeiro e certo do único Deus pessoal, que zela e controla o mundo por sua providência, e da lei natural escrita em nossos corações pelo Criador. (par. 37)
Há uma razão pela qual o primeiro Concílio Vaticano, embora insistindo que a revelação divina nos ensina coisas que não podem ser conhecidas apenas pela razão natural, também ensinou que:
A mesma Santa Mãe Igreja sustenta e ensina que Deus, a fonte e o fim de todas as coisas, pode ser conhecido com certeza a partir da consideração das coisas criadas, pelo poder natural da razão humana.
E
Não só a fé e a razão nunca podem estar em conflito uma com a outra, mas elas se apoiam mutuamente, pois por um lado a razão justa estabeleceu os fundamentos da fé e, iluminada por sua luz, desenvolve a ciência das coisas divinas ...
E
Se alguém disser que o único, verdadeiro Deus, nosso criador e Senhor, não pode ser conhecido com certeza das coisas que foram feitas, pela luz natural da razão humana: seja anátema.
E
Se alguém disser que a revelação divina não pode se tornar crível por sinais externos e que, portanto, os homens e as mulheres devem ser movidos à fé apenas pela experiência interna ou inspiração privada de cada um: que seja anátema.
E
Se alguém disser ... que os milagres nunca podem ser conhecidos com certeza, nem a origem divina da religião cristã pode ser provada deles: que seja anátema.
O objetivo de tais anátemas não é resolver por decreto a questão de se Deus existe ou se os milagres realmente ocorreram; obviamente, um cético ficará comovido, se for o caso, apenas por receber argumentos reais para essas afirmações, não pela mera insistência de que existem tais argumentos. Os anátemas são dirigidos ao cristão subjetivista e fideísta que rejeitaria a exigência do ateu de que a fé fosse dada uma defesa objetiva e racional e que, assim, faz do Cristianismo motivo de chacota. Pregar o cristianismo aos céticos sem primeiro definir o praeambula fidei, e depois reclamar quando eles não o aceitam, é como gritar em inglês com alguém que só fala chinês e, em seguida, descartá-lo como um tolo quando ele não o entende. Em ambos os casos, embora certamente haja um tolo na foto, não é o ouvinte.
________________________
¹- Em https://www.reddit.com/ApologeticaCrista/comments/jx3m63/uma_breve_introdu%C3%A7%C3%A3o_pessoal_%C3%A0_apolog%C3%A9tica_crist%C3%A3/
²- Os pontos de Bruce Charlton quais o Prof.Edward Feser se refere, e quais não cita em seu artigo são os seguintes:
  1. A ausência de judaísmo
O Cristianismo moderno tem que passar sem os séculos de tradição judaica desenvolvendo uma compreensão da natureza de Deus, os profetas e suas profecias, a vida devocional dos Salmos etc; mas os cristãos modernos têm que descobrir tudo isso do zero e por si próprios, e muitas vezes não conseguem.
  1. Confusão
A vida moderna é hedônica, distraída - frequentemente drogada. Consequentemente, as pessoas muitas vezes não sabem ao certo a natureza da vida. Além disso, nas últimas décadas, a cultura dominante tem sido ativamente contra o Bem. A arte moderna é anti-beleza, as filosofias modernas são anti-verdade, a moralidade moderna é uma inversão do Direito Natural. A propaganda (implícita e explícita) inculca que os ideais espontâneos dos humanos (religião nativa, diferenças sexuais, família, nação, lealdade, coragem) estão errados. Em suma, os modernos estão profundamente (deliberadamente) confusos sobre questões profundas. Portanto, os apologistas cristãos modernos têm que explicar a condição humana, a natureza básica da vida; antes de explicar como o cristianismo é a resposta.
  1. Inoculação anticristã
A cultura dominante agora se inocula especificamente contra o Cristianismo e os pré-requisitos do Cristianismo. Ele fornece argumentos prontos, fundamentados no hedonismo materialista moderno, para serem usados ​​contra todas as evidências ou etapas de argumentação que possam levar ao Cristianismo, se rigorosamente seguidas. A apologética cristã não pode avançar um passo sem eliciar esses slogans, e a impaciência moderna, a distração e um curto espaço de atenção fazem o resto. Que esses argumentos materialistas hedônicos sejam circulares, incoerentes e infundados é irrelevante na prática; porque eles efetivamente bloqueiam o desenvolvimento de uma metafísica alternativa da qual sua invalidade seria aparente.
3- http://edwardfeser.blogspot.com/2011/09/modern-biology-and-original-sin-part-ii.html
submitted by BlindEyeBill724 to ApologeticaCrista [link] [comments]


2020.03.10 01:16 avancandoms Biografia Avançando Na Música e no Aprendizado Musical

O Blog Avançando Na Música é um Site dedicado a ajudar pessoas que gostaria de tirar suas dúvidas sobre como aprender a tocar teclado, como aprender teoria musical, dicas de aula de canto, dicas de curso de guitarra e informações sobre uma escola para baixistas.
Dicas e artigos semanais sobre conteúdos muito interessantes para ajudar a comunidade dos músicos a crescer no conhecimento.
Temos bons materiais no Pinterest do Avançando na Música.
O site avançando na música ajuda a estimular o amor por um instrumento musical, incluindo a voz.
As dicas podem ajudar a qualquer aluno ou interessado na música a encontrar informações a partir do zero mesmo que o músico seja iniciante.
Nosso site traz também dicas sobre cursos onlines e conta para você sobre os benefícios e o cuidado de estudar algum instrumento musical online.
submitted by avancandoms to u/avancandoms [link] [comments]


2020.01.25 22:41 ptvns Sobre aquela literatura nacional que não é assaz ouvido falar.

Recentemente me deparei com uma peça magnífica da literatura nacional, daquelas jóias esplendorosas que hoje não se ouve falar. Trata-se de "Os retirantes" escrito por José do Patrocínio. Nunca ouvi falar desse sujeito nas minhas aulas de literatura, muito menos de sua obra. Não existe artigo na Wikipédia sobre o livro, embora exista uma biografia do ex-vivente. Não desmerecendo Machado de Assis, mas hoje em dia acredito que suas obras se tornaram muito "mainstream" no vernáculo literário nacional ( embora o sujeito seja um verdadeiro mestre) e por conseguinte acabamos por dar um overshadow sobre umas dessas jóias literárias nacionais. Como disse, nunca ouvi falar desse livro e o descobri por mero acaso e me enamorei com a obra. Trata-se de um romance regionalista cearense, com foco na grande seca do nordeste de 1877. Obra cativante, crítica ao fervorosismo religioso nordestino ( José do Patrocínio era filho de um cônego). Dessas que quando você termina de ler fica aquele vazio no âmago. Fica aí a discussão, é interessante fornecer meios para desvendar a literatura nacional, fora dos mainstreams como Machado de Assis ou Graciliano Ramos ( não os desmerecendo, pelo amor de Deus.)
submitted by ptvns to brasilivre [link] [comments]


2019.12.25 20:03 rafaeldiehl Benjamin Tucker, anarquista de Boston

Benjamin Tucker, anarquista de Boston
Por Cory Massimino
O movimento libertário americano não se recuperaria por décadas da cisão causada pela Guerra Civil dos Estados Unidos. Conflitos internos entre abolicionistas que eram favoráveis à guerra e à invasão do Sul, que enxergavam a guerra como inevitável e necessária para pôr um fim à escravidão, e aqueles que pensavam que a guerra era moralmente inaceitável e desnecessária para acabar com a escravidão fizeram com que o movimento libertário se dividisse em vários movimentos sociais radicais menores. Entre eles estavam o livre pensamento, o amor livre e o movimento trabalhista. Depois de 1865, a tradição individualista sobreviveu como parte dessas causas mais amplas, embora não como um movimento coeso. Dado o crescimento astronômico do estado devido à guerra e o declínio do pensamento radical individualista, parecia que a chama da liberdade havia se apagado.
Nascido em 17 de abril de 1854 em Massachusetts, Benjamin Tucker cresceu em uma família quaker e unitarista radical. Tucker se matriculou no MIT, mas após conhecer três importantes anarquistas individualistas (Ezra Heywood, William B. Greene e Josiah Warren) em uma convenção da New England Labor Reform League em Boston em 1872, Tucker se tornaria um ativista, jornalista e ensaísta anarquista. Se aliaria fortemente ao movimento trabalhista e teria algumas conexões com os movimentos do livre pensamento e do amor livre (assim como seus colegas). O núcleo comum em todo o seu pensamento, porém, era o individualismo.
Tucker construiu sua teoria do anarquismo individualista (que chamava de “anarquismo de Boston” para distingui-lo dos “anarquistas de Chicago”, que eram geralmente menos favoráveis às ideias de mercado e mais favoráveis à violência como meio para a mudança social) sobre os princípios da soberania individual e da teoria do valor-trabalho (que era aceita por muitos importantes economistas desde Adam Smith, mas que foi suplantada mais tarde dentro da profissão econômica pela revolução marginalista, encabeçada por Carl Menger, William S. Jevons e Leon Walras). Para os anarquistas do século 19, a teoria do valor-trabalho — de acordo com a qual o “custo é o limite do preço” — era a extensão natural da soberania do indivíduo sobre si mesmo. O trabalho era visto como a fonte de toda a riqueza e o trabalhador naturalmente tem propriedade sobre os frutos de seu trabalho como extensão de sua propriedade sobre si. A teoria do valor de Tucker estava intimamente ligada às suas visões éticas, segundo as quais cada indivíduo é o único legítimo soberano sobre seu corpo e sua propriedade justa, que requeria a mistura de seu trabalho.
Tucker e seus colegas anarquistas individualistas eram anticapitalistas, mas favoráveis ao livre mercado. Enxergavam o capitalismo como uma economia estatista que beneficiava artificialmente os capitalistas às custas dos trabalhadores através da extração do valor excedente do trabalho por rents artificiais. Tucker pensava que os frutos das classes trabalhadoras são sistematicamente e coercitivamente tomados pelas elites sob o estatismo. Ele via o estado como patrocinador da classe dominante. Identificava quatro grandes monopólios: o da moeda, da terra, das patentes e das tarifas (Charles Johnson já identificou ainda mais deles). O papel desses monopólios era concentrar capital nas mãos de poucos e criar um sistema de trabalho assalariado. A origem desses monopólios, porém, não está no livre mercado, mas no estado.
Ao invés de adotar uma retórica pró-capitalista e uma vez que os anarquistas americanos viam os capitalistas como braços do estado, eles eram bastante simpáticos ao termo “socialismo” (alguns anarquistas individualistas contemporâneos pretendem retomar o termo “socialismo” do jugo dos socialistas estatistas). Tucker acreditava que havia uma visão única que juntava todos os socialistas, de Warren e Proudhon a Marx, que era:
[Que] o custo é o limite do preço — esses três homens fizeram as seguintes deduções: que a remuneração natural do trabalho é o seu produto; que essa remuneração, ou produto, é a única fonte justa de rendimentos (ignorando, é claro, presentes, heranças etc.); que todos aqueles que derivam suas riquezas de qualquer outra fonte as extraem direta ou indiretamente da remuneração justa e natural do trabalho; que esse processo de extração geralmente toma três formas — juro, renda e lucro; que esses três constituem a trindade da usura e são simplesmente diferentes métodos de arrecadar tributos pelo uso do capital; que o capital, sendo apenas trabalho armazenado que já foi remunerado em sua totalidade, deve ser de uso gratuito, sob o princípio de que o trabalho é a única base do preço; que o credor de capital tem direito ao seu retorno intacto e nada mais; que a única razão pela qual o banqueiro, o acionista, o senhorio, o manufatureiro e o mercador são capazes de extrair usura do trabalho se deve ao fato de que são sustentados por privilégios legais — ou monopólios; e que a única forma de garantir que o trabalho usufrua de seu produto total, ou de sua remuneração natural, é acabar com o monopólio.
Tucker fazia uma distinção entre o socialismo de estado e o socialismo de mercado. Seu programa socialista individualista consistia “na destruição desses monopólios e na substituição deles pela livre concorrência” e se baseava “num princípio fundamental: a liberdade do indivíduo, seu direito soberano sobre si mesmo, sobre seus produtos e suas relações, e seu direito de rebelião contra as ordens de uma autoridade externa”. A abolição dos monopólios (isto é, a reforma econômica) se tornou o objetivo principal de Benjamin Tucker e sua missão era ser “um defensor da justiça para o trabalho”. Sobre suas duas maiores influências, Tucker escreveu:
Quando Warren e Proudhon, em sua luta pela justiça para os trabalhadores, se depararam com o obstáculo dos monopólios de classe, eles observaram que esses monopólios eram sustentados pela autoridade e concluíram que a coisa a ser feita não era fortalecer essa autoridade e assim tornar o monopólio universal, mas extirpá-lo totalmente e assim brandir o princípio oposto — a liberdade —, tornando a competição, a antítese do monopólio, universal.
Tucker rejeitava a visão de Marx e dos socialistas de estado, caracterizando-a como a “doutrina de que todas as relações humanas devem ser gerenciadas pelo governo, sem levar em consideração a escolha individual”, seguindo os ensinamentos dos individualistas (principalmente Warren e Proudhon):
Assim como a ideia de tirar o capital dos indivíduos e dá-los para o governo levou Marx a um caminho que termina ao transformar o governo em tudo e o indivíduo em nada, a ideia de tirar o capital dos monopólios protegidos pelo governo e colocá-los ao alcance de todos os indivíduos colocou Warren e Proudhon no caminho que termina na transformação do indivíduo em tudo e do governo nada. Se o indivíduo tem o direito de governar a si mesmo, toda autoridade externa é tirânica. Daí a necessidade de se abolir o estado.
São precisamente as barreiras à entrada e as regulamentações econômicas criadas pelo estado que impedem a competição e, portanto, concentram o poder econômico e os recursos nas mãos de algumas poucas elites políticas. De acordo com Tucker, a exploração capitalista, à qual Marx legitimamente se opunha, se baseia na autoridade do estado. A rejeição da autoridade significa a adoção do “anarquismo, que pode ser descrito como a doutrina de que todas as relações humanas devem ser gerenciadas pelos indivíduos ou por associações voluntárias e de que o estado deve ser abolido”.
Tucker, em seu “jeffersonianismo sem medo” deu origem a um novo movimento libertário em 1881 quando fundou o jornal Liberty, um canal de divulgação daquilo que Tucker chamava de anarquismo filosófico, especificamente de sua própria variedade, que incorporava o pensamento pró-trabalho, pró-mercado e egoísta, influenciado fortemente por Josiah Warren, Pierre-Joseph Proudhon (o autor do slogan do jornal, “A mãe, não a filha da liberdade”), Herbert Spencer e Max Stirner. O periódico servia como divulgação de suas visões na cena política radical americana e também como plataforma para um discurso que moldaria a tradição individualista e o movimento libertário para sempre.
Os individualistas, juntamente com os livre-pensadores, o amor livre e o movimento trabalhista foram unidos pelo jornal Liberty, que publicava os trabalhos de radicais influentes como Lysander Spooner, Auberon Herbert, Joshua K. Ingalls, John Henry Mackay, Victor Yarros e Wordsworth Donisthorpe. Suas páginas traçaram e criaram vários debates internos e controvérsias dentro da tradição radical individualista por três décadas e, de acordo com Wendy McElroy, “forneceram um núcleo em torno do qual um movimento revitalizado poderia surgir e crescer”. Ao reunir as tradições individualistas remanescentes da cisão da Guerra Civil, Tucker e Liberty foram instrumentais no renascimento do movimento libertário americano e vitais para seu sucesso no século 20.
O jornal do livre pensamento Boston Investigator deu boas-vindas à primeira edição de Liberty em 1881 dizendo: “O Sr. Tucker tem a capacidade, a indústria, o radicalismo e a independência para fazer um jornal interessante e sugestivo”. O jornal claramente ultrapassou as expectavias.
Em 1908, no entanto, Liberty chegava ao fim da linha e em 1930 meu radical de Boston preferido também já pensava que a própria liberdade tinha acabado:
[O] obstáculo insuperável à realização da Anarquia não é mais o poder dos trustes, mas o fato incontestável de que nossa civilização está à beira do colapso. Talvez duremos ainda alguns séculos; por outro lado, uma década pode precipitar nosso fim. (…) Uma idade das trevas é certa. O Monstro, o Mecanismo, está devorando a humanidade.
Nove anos mais tarde, Benjamin Tucker morria acreditando que a chama da liberdade havia se apagado permanentemente. Eu espero que, quase cem anos depois, o movimento libertário que deve seu renascimento e sua existência à chama de Tucker em 1881 não deixe que sua chama radical e independente jamais se apague.
Traduzido por Erick Vasconcelos.Artigo original: http://c4ss.org/content/37324
https://preview.redd.it/f2dkjb6sut641.jpg?width=696&format=pjpg&auto=webp&s=0c0ddc8ea4e07f1ab8ae0697cddf86f0d3013a05
submitted by rafaeldiehl to AnarquismoBrasil [link] [comments]


2019.10.08 05:02 altovaliriano Explique "Grande Conspiração Nortenha" (out/2019) - Sem sinal de ASOIAF (ago/1990)

Hoje eu quero iniciar o formato que acredito ser o ideal para analisar os arquivos do So Spake Martin (SSM) de Westeros.org.
Eu tentarei analisar os SSMs mais antigos em ordem cronológica e os mais recentes de forma retroativa, até que ambas as pontas um dia se encontrem no meio. Daí em diante, eu passaria a apenas a analisar os mais recentes.
---------------------------------
Mais recente: Entrevista à WGN Radio (04/10/2019)
Link no arquivo: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/16162
Martin foi entrevistado por telefone por uma rádio de Chicago antes da sua visita na cidade (que deve estar ocorrendo enquanto falamos).
Os apresentadores começam falando sobre a carreira de Martin na ficção científica, comentam a dificuldades de interação com leitores hoje em dia e, por fim, perguntam como é ter Westeros noite e dia consigo durante a escrita.
Martin fala diz que quando a escrita está correndo bem, ele fica pensando em Westeros o dia todo, mas o momento em que as idéias mais lhe ocorrem é quando esta indo dormir. Que fica pensando na cena que vai escrever na manhã seguinte ou na semana seguinte e que os personagens tomam vida e ele chega a ouvir partes de diálogos.
Depois as perguntas se concentraram em Game Of Thrones. Martin disse que o alívio porque o show acabou é apenas parcial, em razão de agora não se martiriza tanto pensando que está atrasado em relação à HBO.
Quando um dos apresentadores critica os roteiros dos episódios da 5ª temporada em diante (especialmente em relação à última temporada), Martin responde bruscamente. Diz que ele vai terminar o próximo livro e que aí poderão ler a versão dele da história. Martin também não avança muito quando é perguntado sobre Bloodmoon (série sucessora de GoT sobre a Era dos Heróis, sob a responsabilidade de Jane Goldman), apenas frisa que a série é de autoria de Jane Goldman.
No final da entrevista, o apresentador fala que seus filhos falaram tanto sobre a "Grande Conspiração Nortenha" (uma teoria de fã que devo cobrir no futuro) que ele sabia que só teria paz quando pedisse para GRRM explica-la. Martin ri e diz que não comenta teorias de fãs, pois diz que há muitas por aí, e umas são verdade, outras não.
O programa é encerrado com os apresentadores falando mal da escrita de Dan & David e tirando sarro de Martin por ter sido brusco na resposta sobre o final de Game of Thrones.
------------------------------------------
Mais Antigo: Entrevista ao site Eidelon (01/04/1990)
Link: https://www.westeros.org/Citadel/SSM/Entry/1431
Nesta entrevista, vemos Martin responde perguntas sobre sua carreira na Ficção Científica e Horror, seu envolvimento com Hollywood (e o quão hesitante ele estava em voltar a trabalha lá depois de The Beauty and the Beast) e ele fala dos planos para o futuro.
O que é interessante sobre esta entrevista é que ela aconteceu antes que Martin começasse a escrever ASOIAF (em 1991) e vemos Martin avaliando um futuro que não incluía as Crônicas de Gelo e Fogo.
Confira abaixo a entrevista traduzida na íntegra:

E: Por que você começou a escrever?
GM: Bem, eu não acho que tenha decidido conscientemente me sentar um dia e dizer "Nossa, eu vou começar a escrever". De certo modo, eu sempre escrevi. Mesmo antes de poder escrever, eu sempre pensei em histórias e inventei histórias. Mesmo quando eu era criança e brincava, inventava personagens, brincava com tramas, brincava com histórias, contava histórias para as outras crianças. Portanto, não tenho certeza de que algo a que se chega depois de certa deliberação, é apenas algo que, pelo menos comigo, parecia automático; algo que eu nasci com.
Comecei a enviar minhas histórias e a publicá-las primeiro a nível de fã: nos tempos de escola durante a adolescência, eu era ativo no fandom de quadrinhos, que naquela época estava apenas começando nos Estados Unidos. Eu era um fã ativo de quadrinhos. Então publiquei em vários fanzines de quadrinhos e, finalmente, quando estava na faculdade, fiz minha primeira venda profissional.
E: Você é mais conhecido por escrever contos de ficção, e eu sei que escrever contos de ficção não compensa tanto quanto escrever romances. Por que você ainda escreve contos de ficção?
GM: Bem, às vezes eu só tenho uma história para contar que não tem o suficiente para ser um romance, e eu prefiro fazer um bom conto ou uma boa novela do que escrever um romance ruim e grande.
Na verdade, à medida que minha carreira progredia, minhas histórias tendiam a ficar cada vez mais longas. Quero dizer, acho que se você realmente olhar para a minha bibliografia, bem no início da minha carreira, escrevi principalmente pequenos contos. Faz vários anos desde que pude produzir um conto real e genuíno. Ou seja, algo curto [risos]. Embora eu escreva coisas com comprimento menor do que uma novela: venho fazendo muitas novelas e noveletas nos últimos anos.
E: Ainda é difícil vender novelas? Há uma maravilhosa história de horror em um dos livros de Stephen King sobre o quão difícil é vender novelas. Você acha isso?
GM: Não é difícil para mim vender novelas de ficção científica. Stephen King tem um nome gigantesco, é claro, mas mesmo ele está em uma posição um pouco estranha, pois é um escritor de terror; não há mercado para contos de terror, pelo menos não nos Estados Unidos. Existem algumas revistas semi-profissionais; ocasionalmente, a Revista de Fantasia e Ficção Científica publicará alguns, mas para as novelas de ficção científica ainda há um mercado bastante ativo, e foi uma novela, "Uma Canção para Lya", que virou uma das minhas principais histórias inovadoras no início de minha carreira. Ganhei meu primeiro prêmio Hugo, aqui na Austrália, na verdade; na Aussiecon One.
E: Você escreve muito horror hoje em dia. Por que? Pois só lhe vem histórias de horror ou porque acabou a graça da ficção científica?
GM: Bem, eu não diria isso. Eu gosto de fazer coisas diferentes. Há muitos tipos diferentes de histórias que quero contar. . . ficção científica, fantasia, horror, até mesmo algumas convencionais. Adorei histórias de horror quando jovem. Eu li muitas delas. Mas, por um tempo, a graça delas meio que acabou. Depois de ler tudo o que HP Lovecraft havia feito, na colégio, e ter experimentado alguns outros, realmente não consegui encontrar nenhum escritor de terror de que gostei. Eles não pareciam mais capazes de me assustar. Então eu meio que me afastei disso e, quando comecei a vender profissionalmente nos anos 70, eu estava lendo e escrevendo exclusivamente ficção científica. Mas acho que Stephen King produziu um genuíno renascimento do horror. Eu li e gostei de King. Muitas pessoas vieram no rastro dele, que eram imitadores e não eram tão bons, mas acho que ele provou que a ficção de terror ainda era viável. Eu tenho minha própria abordagem na ficção de horror, é claro. Eu não acho que isso se encaixa perfeitamente na categoria Stephen King. Há um parâmetro, o que eu chamaria de sensibilidade de "ficção científica", até mesmo para a minha ficção de terror.
E: Isso é extremamente lógico, extremamente bem explicado. . .
GM: Sim, há uma parte de mim que é muito Campbelliana em vez de Lovecraftiana, que acredita que realmente está dentro da capacidade da mente humana de compreender tudo, e meus protagonistas não são levados à loucura, como muitos de Lovecraft foram, por horrores grandes e incompreensíveis demais para eles imaginarem.
E: O que você acha do horror "moderno", da tradição do splatterpunk e do fato de os filmes estarem ficando cada vez mais violentos e cada vez mais bobos?
GM: Essa é uma pergunta muito ampla. Fiz parte de alguns painéis que falar sobre isso por algumas horas.
Certos aspectos disso me preocupam, na verdade. Permita-me aqui esclarecer que não sou a favor de nenhum tipo de censura; Eu sou bastante anti-censura. Eu sou o mais extremo que se pode ser sobre toda a questão da liberdade de expressão. Mas, no entanto, como leitor, lendo algumas dessas coisas, me perguntam o que eles querem dizem sobre a sociedade e a cultura norte-americanas, e me pergunto o que essa tendência significa, pois o horror se torna cada vez mais explícito e o foco muda, como tantas vezes acontece, para fazer do monstro o herói ao invés de vilão de grande parte de filmes de terror...
E: Eu lembro da frase em "The Skin Trade", em que um personagem atribui um assassinato a "alguém que já viu muitos filmes de Halloween e sexta-feira 13 ".
GM: Sim. Eu assisti a alguns desses filmes em que não apenas o que está na tela é perturbador, mas o comportamento de certos membros da platéia é muito assustador.
E: O que você está escrevendo agora? O que podemos esperar ver em um futuro próximo?
GM: Bem, no momento não estou no meio de nada importante. Continuo trabalhando na minha série Wild Cards , que é uma coisa contínua. No momento, estou trabalhando principalmente como editor, apesar de ter escrito metade do livro sete (que será lançado em agosto nos Estados Unidos). Esse é um mosaico de duas pessoas, eu e John Miller, por isso é essencialmente um romance colaborativo, do qual metade é meu.
Entreguei o livro oito e estou trabalhando na edição do livro nove, mas ainda não tenho histórias. Estou simplesmente trabalhando nisso como editor, e a série não para por aí. Até janeiro, é claro, eu estava trabalhando em no programa de TV A Bela e a Fera, mas que agora terminou, então eu assinei para fazer um filme de ficção científica de baixo orçamento (para fazer roteiro dele), mas não posso falar muito sobre isso. E estou testando algumas novas idéias de romance e tenho certeza que quando junho chegar (junho é tradicionalmente o mês em que a nova temporada de televisão começa em Hollywood) posso acabar recebendo ofertas para escrever ou produzir um novo programa de televisão. Eu teria que avalia-las, mas se eu voltaria para lá, eu não sei dizer. Depende do que tipo de show é, qual é a oferta, é algo que me interessa? Então, basicamente, tenho alguns meses de folga agora.
E: Um dos meus livros favoritos é oTuf Voyaging. A Locus [Magazine] anunciou há muito tempo que haveria um segundo livro,Twice as Tuf”. Eles estavam mentindo?
GM: Bem, eles não estavam mentindo. Pode ser que esse livro ainda venha, mas não será lançado tão cedo. Basicamente, eu assinei para fazer o Twice as Tuf e logo depois de assiná-lo, acabei trabalhando em Hollywood, primeiro em Além da Imaginação e depois em A Bela e a Fera , e isso ocupou muito do meu tempo. E o prazo chegou e foi embora e nós o estendemos várias vezes para Twice as Tuf e nada... Eu nunca tive tempo para produzir nada relativo a isso. Então, finalmente, cheguei a um entendimento com a editora, pelo qual lhes dei essencialmente dois dos meus direitos para brochura de dois outros livros, A Morte da Luz, meu primeiro romance, que eles acabaram de relançar, e direitos para brochura de uma de minhas coleções que nunca esteve foi impresso em brochura [Retrato de Seus Filhos - Ed. ], então eles farão uma edição desta também, e eles substituirão Twice as Tuf. Agora, eu ainda gostaria de escrever mais sobre esse personagem e ainda acho que vou retomar e fazer esse livro algum dia, mas exatamente quando esse dia chegará, eu não sei.
As demandas da TV quando estou trabalhando em um programa me mantêm bastante ocupado, e fazendo isso e os Wild Cards, eu não consigo dar conta de muita coisa. E agora que tenho um pouco de tempo para pensar em assumir outro projeto, não acho que a coisa "Tuf" seja a primeira coisa em que realmente me apetece entrar agora. Eu gostaria de fazer outro romance quando tiver tempo; um que não seja parte deu uma saga.
E: Você mencionou a Bela e a Fera e Além da Imaginação**.** Como é escrever uma série? Além da Imaginação deve ser bem diferente, pois é uma série antológica... Como foi sua experiência com isso, como você se envolveu e como foi?
GM: Bem, eu me envolvi nisso quase por acaso. Phillip de Guerre, que foi o produtor executivo de Além da Imaginação, também é um grande fã de rock 'n' roll, e há alguns anos atrás eu fiz um livro chamado The Armageddon Rag e Phil o selecionou para um filme. Naquela época, ele me levou para Hollywood, tive várias reuniões com ele para discutir o roteiro que ele planejava escrever para o filme de The Armageddon Rag e ele escreveu vários roteiros, mas nunca conseguimos fazer o filme ou conseguir financianciamento.
Mas eu conheci Phil no processo e, quando ele pôs Além da Imaginação em produção, resolvei arriscar e me deu um trabalho de roteiro, e gostou do resultado o suficiente para que, quando estavam com muito serviço, me trouxessem a bordo como Staff Writer (que é o único cargo de produção de Hollywood que contém a palavra "escritor" e, portanto, você sabe que é a posição mais baixa da cadeia, como de fato era). Então, comecei como redator em Além da Imaginação e subi até o Story Editore, em seguida, Executive Story Consultant. E, em A Bela e a Fera, eu fui Produtor e depois Coordenador de Produção.
Então, Alpem da Imaginação era bem diferente de A Bela e a Fera, de certa forma, porque um era um show antológico e o outro é uma série episódica semanal regular, e ainda assim os dois projetos tinham talvez mais em comum um com o outro do que qualquer outra coisa que eu já tenha feito, porque eles eram, afinal, a televisão, que é um mundo completo em si mesmo, e é diferente de qualquer experiência que um escritor possa ter, de verdade.
De certa forma, sinto que a televisão era boa para mim. Certamente foi bom para mim financeiramente [risos] e foi muito estimulante. Digo, eu havia sido um escritor independente por muito tempo antes de assumir esse emprego; trabalhando em casa, acordando todos os dias, levando duas horas para tomar minha xícara de café, entrar no escritório, ligar o processador de texto, talvez fazer alguma coisa, talvez não (Eu nunca fui um escritor muito disciplinado, e é por isso que minha bibliografia é comparativamente curta em comparação com alguns de meus contemporâneos).
Não é assim que Hollywood funciona. Você entra no escritório todos os dias, fica lá não por oito horas por dia, mas algo mais perto de dez, onze ou doze horas. Você está escrevendo, participando de reuniões, participando de sessões de apresentação, indo ao set, reunindo-se com o diretor ou o responsável. Então isto me impôs certa disciplina em mim; que era boa para mim e também extremamente estimulante. Digo, era um mundo totalmente novo para aprender, sobre o qual eu não conhecia nada antes, e isso me envolveu em algo que eu não tive por muitos anos; todo esse negócio de "ambiente de escritório", onde você realmente precisa entrar e interagir com outras pessoas.
Hollywood é um mundo estranho, mas, de certa forma, é o Mundo Real, e é bom para um escritor entrar em contato com o Mundo Real de vez em quando. Eu acho que um escritor que passa toda a sua carreira escrevendo romances a partir dos estudos que faz em sua casa (e talvez encontrando algumas pessoas em convenções ou ocasionalmente indo a um coquetel literário) perde de vista o mundo real, de como as coisas realmente são lá fora. E você começa a fazer muitas coisas auto-referenciadas, o que eu acho que é uma armadilha para qualquer escritor.
E: Você colaborou bastante durante sua carreira, fora o trabalho de televisão. Você gosta disso e como você faz?
GM: Cada caso é diferente. É como um casamento. Eu colaborei com Lisa Tuttle, Howard Waldrop, George Gutthridge. Com quem mais eu colaborei? Estou esquecendo alguém? [Risos.]
E: Bem, a televisão é colaborativa até certo ponto. Wild Cards é colaborativo, se preferir.
GM: Bem, com Wild Cards , estou funcionando mais como editor do que como colaborador, então isso é um pouco diferente. Cada uma das minhas colaborações era essencialmente diferente.
Aquele com Howard foi a primeira colaboração. Isso era basicamente: Howard e eu estávamos nos correspondendo há muitos anos, finalmente nos conhecemos em uma convenção em Kansas City, 1972, e devia ter algo errado naquela água ou algo do tipo porque decidimos "Ei, vamos fazer uma história juntos!" Então, enquanto todo mundo estava no Playboy Club no hotel de convenções servindo bebidas por coelhinhas voluptuosas, Howard e eu estávamos em nosso quarto de hotel com a pequena máquina de escrever portátil de Howard, martelando folhas de papel amarelo e, sabe, ele escrevia e ficava sentado atrás dele na cama e então ele parava e eu escrevia, e não produzimos muito coisa. Terminamos uma pequena parte, mas ele levou para casa, escreveu mais um pouco, enviou para mim e assim por diante.
Lisa e eu, éramos pólos opostos para começar. Ela estava no Texas e eu em Chicago quando começamos e depois em Dubuque, Iowa, e colaboramos principalmente através de e-mails, cada um de nós escrevendo uma seção, enviando-as para o outro, que reescreveria a seção anterior que o outro havia escrito e então avançaria um pouco mais além. Assim foi indo e voltando até que chegou um ponto em que eu não sabia mais o que Lisa havia escrito naquele livro e o que eu havia escrito. Ocasionalmente, uma frase se sobressaia como uma “frase de Lisa" ou uma frase minha, mas, fora isso, eu não saberia diferenciar.
A coisa com George Gutthridge, era uma história muito velha. Na verdade, foi uma das primeiras histórias de ficção científica que eu escrevi, que foi recusada várias vezes e que eu nunca fui capaz de vender. Anos depois, George pegou-a e reescreveu. Portanto, minha escrita foi feita no final dos anos 60, e ele a dele foi feita uma década depois.
E: Nightflyers foi transformado em filme há alguns anos atrás. O que você achou do filme? Foi bem diferente da sua história.
GM: Bem, acho que eles foram cerca de 75% fiéis, mas, infelizmente, os 25% que eles mudaram tiveram uma espécie de efeito cascata e fizeram com que os 75% que não foram alterados não fizessem tanto sentido quanto poderia ter. Eles fizeram algumas mudanças que eu aprovo e gostei e outras que não entendi e não gostei.
Eu acho que o filme teve algumas coisas boas - direção de arte adorável, efeitos especiais maravilhosos, considerando o orçamento que era minúsculo (sim, eles não têm os efeitos especiais de Guerra nas Estrelas, mas para um filme de três milhões de dólares - o que ele era - fizeram um trabalho muito impressionante) e tiveram algumas boas interpretações secundárias - mas no geral não acho que funcionou. Infelizmente.
E: Você tem outros projetos de filmes que possam ir adiante, em um futuro próximo?
GM: Eu tenho interesse constante em "Sandkings". Ele está sempre sendo selecionado. E tem havido algum interesse no Fevre Dream. E Phil ainda está ocasionalmente fuçando e conversando sobre O Armageddon Rag. Mas se alguma dessas coisas realmente vai acontecer, eu não seria capaz de afirmar.
E: Quem o inspirou como escritor? Quem são seus escritores favoritos?
GM: Há muitos escritores que eu gosto. Acho que aqueles que realmente tiveram mais efeito sobre mim foram provavelmente os escritores que li quando jovem. Costumo pensar que essas influências, que você absorve a nível subconsciente antes mesmo de sonhar em escrever, são as influências duradouras. Quero dizer, eu cresci lendo Andre Norton, lendo Heinlein Juveniles, lendo Eric Frank Russell (que eu acho um autor maravilhoso, mas que é por demais esquecido, infelizmente). Lovecraft: quando descobri Lovecraft, fiquei encantado por ele, por razões que tenho certeza de que eu entenderia se ainda tivesse quinze anos [risos].
Hoje em dia, meus escritores favoritos são uma lista diferente. Sou um grande admirador de Jack Vance. Eu não sei se Vance teve. . . Vance exerceu grande influência em Haviland Tuf, que começou na primeira história, "Uma Fera para Norn", como uma tentativa muito consciente de escrever uma história ao estilo "Jack Vance", e se você olhar em "Uma Fera para Norn", sou eu muito arduamente imitar Vance. E há ainda outras partes de Tuf que são muito Vancianas. Mas, fora isso, não acho que Vance tenha tido um efeito profundo na minha escrita. Eu leio muito fora deste ramo hoje em dia. Pessoas como Larry McMurtry, William Goldman, Pat Conroy. Essa é uma lista longa. Eu poderia dar nomes aqui o dia todo.
E: Como começou a série Wild Cards**?** Eu ouvi uma mito sobre isso.
GM: Bem, na verdade começou como um jogo de RPG. Há um grupo de escritores em Albuquerque que ocasionalmente jogam juntos, e eles me arrastaram para algumas de suas atividades. Então, eu joguei vários jogos com eles e eles sabiam que eu era um velho fã de quadrinhos desde a infância. Então, em um ano, no meu aniversário, Vic Milan me deu um jogo de RPG de super-herói chamado Superworld, da qual me tornei o Mestre. E pelo menos metade das pessoas em nosso grupo de jogadores eram escritores profissionais com histórias publicadas. Então eles criaram personagens realmente maravilhosos, e como Mestre eu criei mais personagens do que qualquer outra pessoa. E jogamos esse jogo incessantemente por um ano e meio e colocamos muita criatividade e desenvolvimento nos personagens. Neste ponto, eu finalmente disse, sabe, deve haver alguma maneira de ganharmos dinheiro com isso [risos].
Não, me ocorreu que seria uma excelente série de antologias em um mundo compartilhado, seguindo o modelo de Thieves World . Então, reunimos pessoas, conversamos a respeito, e talvez de meia dúzia a uma dúzia dos personagens foram incorporados. Agora, para deixar claro, não acredito apenas em botar no papel as aventuras dos jogos. Me parece uma boa maneira de obter uma ficção realmente ruim. Digo, jogos são divertidos, mas não são livros. Portanto, muitos de nossos personagens, embora tenham suas raízes no jogo, foram substancialmente alterados e adaptados na transição. Além disso, muitas pessoas envolvidas em Wild Cards não eram membros do jogo. Quero dizer, começamos com o núcleo dos escritores de Albuquerque, mas entrei em contato com muitas pessoas como Roger Zelazny, Howard Waldrop, Pat Cadigan, entre outros - que não faziam parte do grupo de jogos - mas que eu sabia que tinham algum carinho por heróis pulp ou heróis de quadrinhos, todo o conceito de superpotências e que eu pensei que seriam capazes de contribuir com algumas coisas interessantes para a série.
E: Para novos escritores em geral, algum conselho?
GM: Acho que este é um momento difícil para alguém que está estreando. Digo, o início dos anos 70, quando entrei, foi um período muito mais favorável.
O mercado de contos ainda está aberto. Digo, Asimov, Analog, F & SF estão constantemente procurando novas pessoas, porque você não consegue ganhar dinheiro suficiente com elas [as revistas de contos], então as pessoas tendem a não ficar por muito tempo. Ainda é o melhor lugar para estabelecer uma reputação. Eu acho que estabelecer uma reputação nesta época em que há tantos escritores... tornar seu nome algo que os leitores vão lembrar e procurar é uma das coisas mais importantes.
Uma das coisas mais inteligentes que fiz na minha carreira, que fiz por acidente - certamente não planejei – foi não escrever um romance nos primeiros cinco ou seis anos. Porque então, quando o romance foi lançado, não era apenas o romance de alguém que ninguém havia ouvido falar, era o tão esperado primeiro romance de George R. R. Martin, o vencedor do Hugo! Isso me proporcionou um pagamento adiantado muito maior, teve uma certa quantidade de hype, foi resenhado em todos os meios, teve visibilidade. E a maneira como conseguiu essa visibilidade, é claro, foi nas revistas: tendo não apenas um conto ocasional, mas tendo muitos contos [publicados] naqueles primeiros anos. Houve meses em que três revistas foram publicadas, todas com uma de minhas histórias nelas: histórias de capa. Assim, estas vendas iniciais de contos às revistas ainda são um dos melhores jeitos de se fazer isso.
A longo prazo, é claro, você precisará passar para romances se quiser ganhar a vida como escritor profissional em tempo integral. E essa é a parte que está se tornando cada vez mais difícil, principalmente se você é um escritor sério e com ambição. Digo, eu vejo o mundo de Hollywood com o qual lido, e o mundo dos livros de onde venho, estão ficando cada vez mais parecidos a cada ano que passa, e não é Hollywood que está mudando. Os editores de livros estão se tornando cada vez mais voltados para a ficção comercial, para os resultados. Assim, enquanto a empresa estivesse lucrando, eles bancariam um bom autor por alguns anos e alguns livros até que ele encontrasse seu público e estabelecesse sua reputação. Agora, se o seu primeiro livro não ganhar dinheiro, você terá muita dificuldade em vender o segundo. Digo, esta é a situação atualmente. Muitas pessoas dizem que é realmente muito bom comercialmente vender um primeiro romance. Mas se esse primeiro romance não se provar um David Eddings ou um Stephen Donaldson, é comercialmente terrível por a venda seu segundo romance.
E: Tendo participado de Alpem da Imaginação e Wild Cards , você acha que o "mundo compartilhado" está se tornando uma tendência séria ou você acha que é apenas uma fase pela qual estamos passando?
GM: Bem, acho que há um pouco de ambos. Não acho que antologias funcionaram na televisão, o que é uma coisa a lembrar. Veja, Além da Imaginação foi um fracasso, nem um pouco tão bem-sucedido quanto o programa original, que foi de certa forma um programa periférico por cinco anos, por mais aclamado que fosse (e foi um programa maravilhoso que assisti religiosamente quando criança). Em algum momento dos meus discursos aqui [em Danse Macabre] eu acho que vou falar um pouco mais a respeito, mas esta entrevista não será publicado antes do evento, então, apenas adiantando assunto: eu acho que. . . todas as formas de ficção, todas as formas de entretenimento estão se movendo cada vez mais para as séries. Quero dizer, vemos pessoas em nosso ramo olhando para ele com uma visão muito restrita e dizendo "O que está acontecendo com a ficção científica? Essas malditas séries!". Não está acontecendo apenas na ficção científica, está acontecendo com todas as formas de ficção. Está acontecendo na televisão, onde os programas de antologia não conseguem ter sucesso e as pessoas querem programas de séries. Está acontecendo nos filmes, onde você tem Rambo IV e Rocky IX . Qualquer coisa que faz sucesso retornará com em um “II”, no final.
E: Quem você culpa? Você culpa a televisão ou. . .
GM: Não, eu não culpo a televisão. Eu acho que parte disso é a evolução da nossa cultura. Ainda estou procurando algumas explicações sobre isso; não tenho todas ainda. Portanto, isso não é conclusivo como em um artigo acadêmico, mas eu tenho o começo de algumas teorias a respeito. Não sei o suficiente sobre a Austrália para falar sobre a cultura de vocês com qualquer autoridade; eu sempre pensei nisso em termos de Estados Unidos.
Se você olhar para o romance: quando o romance foi concebido, era. . . o próprio nome denota novidade - "o novel", é uma coisa nova, derivada da raiz latina. Mas o romance foi apresentado em um momento em que a sociedade era muito estática, onde as pessoas nasciam em uma cidade pequena e talvez nunca tivessem ido a mais de 48 quilômetros dela (a menos que entrassem em guerra). Quero dizer, as pessoas nasciam na Inglaterra, a cem milhas de Londres; e nunca viram Londres. Eles viveram e morreram sem vê-la. Eles exerciam o ofício que sua família exercia, eles se casavam com a garota da casa ao lado, permaneciam casados ​​com ela por toda a vida, criavam filhos que efetivamente assumiriam o comércio quando eles morressem. Nesse mundo, os romances, com sua promessa de novidade, eram um sopro de ar fresco. Eles o levariam vicariamente a lugares que você nunca iria. Eles o apresentariam a uma gama muito maior de pessoas. Se você estava entediado com as dezessete pessoas que você via todos os dias em sua aldeia, eis aqui outra pessoa que você conheceria, e todos eram novos.
Agora, você olha o que existe nos Estados Unidos. Quando falamos sobre a América hoje, você tem uma sociedade completamente móvel. Digo, eu olho para minha própria vida. Nasci em Bayonne, Nova Jersey. Fui para a faculdade nos arredores de Chicago, que fica a milhares de quilômetros de distância, deixando pra trás todos os meus amigos em Bayonne, perdendo o contato com eles, fazendo novos amigos na faculdade. Eu me mudei . . . na verdade, fui para a escola em Evanston, ao norte de Chicago, e depois me mudei para Chicago [enquanto] meus amigos da faculdade se espalharam por todos os Estados Unidos, e eu conheci outro grupo de pessoas enquanto trabalhava nos meus primeiros anos em Chicago. Ensinei na faculdade em Dubuque, Iowa, novamente me mudando, e depois fui para Santa Fe e depois para Los Angeles. Então, eu estou com quarenta e poucos anos e tive cinco grandes movimentos de milhares de quilômetros na minha vida, o que geralmente significa ter tido um conjunto completamente diferente de amigos. Tive várias carreiras diferentes: ensinei em faculdade, fiz torneios de xadrez, fui escritor, fui roteirista de televisão (o que é diferente de ser escritor de livros). Eu fui casado e divorciado e já estive em vários outros relacionamentos. (Agora estou em um relacionamento há bastante tempo). E sou estável em comparação com algumas pessoas! Quero dizer, há imensa mobilidade em curso.
Eu acho que essa atual é uma cultura em que nada é estável. Ou seja, passa o mais longe possível da cultura que produziu o romance. Digo, sua profissão não está definida, as pessoas estão sempre mudando-a durante a vida. Eles chegam aos quarenta e cinco e decidem: "Bem, eu não quero mais ser advogado, apesar de ter sido treinado para isso a vida toda. Agora, quero navegar de barco pelo mundo". Eles se casam, se divorciam, perdem contato com todos os amigos. As famílias nem ficam mais em contato. Assim, a ficção, que nos fornece vicariamente as coisas que não recebemos na vida, a ficção nos dá estabilidade. Digo, vinte anos podem ter se passado, você pode ter um emprego diferente, você mora a duas mil milhas de onde começou, é casado com alguém diferente, mas Star Trek ainda é o mesmo. Você pode voltar lá, e aqui está esta pequena ilha onde Kirk e Spock ainda vão discutir um com o outro, e eles são quase como que amigos seus, com quem você sempre pode contar para estarem lá. Você não irá ligar para um amigo antigo - e ele se transformou em alguém que você não conhece. Kirk nunca se transforma em alguém que você não conhece. Ele sempre permanece sendo Kirk. E o que eu consigo perceber sobre o sucesso das séries, mesmo dentro do ramo, está sempre relacionado aos personagens. Existe uma relação muito forte com os personagens. Digo, se você participa de um painel chamado Writing the Science Fiction Novel, você recebe perguntas gerais da platéia sobre "Como eu vendo meu romance?" [e] "Como começar quando se escreve um romance?" Você nunca recebe perguntas específicas sobre o livro. Se você aparece em painel sobre Wild Cards ou Thieves World, você recebe perguntas como: ​​"Eu não gosto do que você fez com Hiram Worchester. Quando você vai ajudá-lo?" ou "Você vai dar um descanso para o Tartaruga?" ou "Por Deus, eu não suporto esse tal de Fortunato. Ninguém vai dar um soco na boca dele?" Digo, as pessoas formam esses relacionamentos intensos de amoódio com determinados personagens, e acho que isso é acontece com todas as séries.
E: Muito obrigado.
GM: Claro, o prazer é meu.
submitted by altovaliriano to Valiria [link] [comments]


2019.10.04 13:54 JorgeAmVF 2ª compilação com mais 494 subreddits tabelados em outubro de 2019

Subreddits

nome descrição abreviada membros
1 abobrinha "Sub para discussões inúteis e aleatórias" 4
2 absolutamentenaoeunvr "É o sub antagônico ao eu_nvr" 669
3 AcademicosBrasileiros "Comunidade dedicada à discussão de assuntos acadêmicos dos mais diversos" 169
4 academicoviseu "Apoio à equipa Académico de Viseu" 1
5 AconteceuPraCaralho "Igual o thathappened mas em português" 506
6 ADecadaPerdida "Se você teve alguma parte da vida nos anos 80, se prepare para as coisas que não queria lembrar" 2
7 Adriana_Lima 464
8 agendacultural "Um canal aqui no reddit para compartilhar eventos culturais e iniciativas" 7
9 agricultura "Subreddit voltado as discussões sobre agricultura brasileira e mundial" 9
10 agronegocio "Subreddit voltado as discussões sobre o agronegócio brasileiro e mundial" 4
11 aguasanta "SubReddit dedicado ao Esporte Clube Água Santa" 1
12 airbnb_pt "Compartilha a tua experiência e as tuas dúvidas na comunidade Airbnb em português" 2
13 AjudaPortugal 1
14 Alagoas 3
15 AlgarvePics "Um subreddit dedicado a fotografias do Algarve, Portugal" 1
16 AliExpressBR "Esta Comunidade é para os brasileiros que adoram importações" 136
17 ALPHAE 2
18 Amapa 4
19 Amarelo 1
20 Amazonas 12
21 AmizadeVirtual "Cópia de makingfriends para brasileiros" 89
22 anarquismoBR 3
23 Ancapinaremos 34
24 anedotas "Sub para anedotas portuguesas" 104
25 aodispor 2
26 aplicativos "Subreddit dedicado a temas relacionados à todas as categorias de aplicativos" 61
27 Aquarum "Uma comunidade com foco em enigmas" 63
28 armasdefogo "Comunidade para pessoas interessadas em armas de fogo" 1
29 ARMBrasil "Comunidade para quem atua com Arquitetura ARM" 6
30 arquitetura "Arquitetura em português " 77
31 arquivados "Notícias de processos arquivados contra o Alckmin e o PSDB" 9
32 arvores 10
33 AskABrazilian 39
34 AskPortugal 10
35 AteParece "Versão brasileira do thatHappened, posts em português de coisas que até parece que aconteceram mesmo" 7
36 ateu "Comunidade brasileira dedicada exclusivamente à publicação de conteúdos ateístas" 20
37 Autocaravanar "Grupo dedicado a todos os amantes de autocaravanas" 21
38 automobilismo "Discutindo o esporte a motor sobre quatro rodas em português" 2
39 Avante "Esquerda em galego e português" 113
40 AyrtonSenna 98
41 Baiacu "Comunidade brasileira de shitpost e afins" 12
42 BairroDoLimoeiro 106
43 banania "Subreddit dedicado principalmente a política" 1
44 BandasPortuguesas "Este subreddit foi criado para a divulgação de projetos, divulgação de bandas pouco conhecidas que gostem, divulgar experiências na indústria e também para que seja possível a discussão como o esclarecimento de alguns temas sobre a indústria" 23
45 barbiePortugues 5
46 barsil "Visite o /brasilivre" 2
47 bbb16 5
48 BelPesce 2
49 bettina "Oi, eu sou a bettina tenho 1 milhão de anos e 22 reais de patrimônio acumulado" 16
50 biblia "Compartilhe aqui a palavra de Deus encontrada na Bíblia" 55
51 Biblioteca "Um local para a partilha de livros digitais em português de Portugal" 756
52 Biscoito "O nome certo é BISCOITO" 1
53 bitcoinPT "Comunidade Portuguesa Bitcoin" 29
54 BlackFridayBR "No BlackFridayBR você encontrará promoções o ano inteiro" 191
55 Blumenau 79
56 boasnoticias "Existe ainda amor na Internet e aqui é o lugar para compartilhar essas boas novas" 47
57 boatarde 8
58 Bolacha 1
59 bolorei 6
60 BotaDemaisGrande "Basicamente o BootTooBig so que em brasileiro" 37
61 Bovespa "Este é um sub para investidores, especuladores, iniciantes e veteranos que atuam na Bovespa" 359
62 bradil "Visite o /brasilivre" 1
63 Brasfoot 1
64 brasi 5
65 Brasil_ "O subreddit para o Brasil e para os brasileiros" 2
66 brasil_politica "Sub em Português para discutir a política no Brasil e no Mundo" 2
67 brasil13 12
68 brasil20 2
69 brasil3 18
70 brasil4 20
71 brasil5 "Pq não há brasils o suficiente" 25
72 Brasil6 14
73 brasil666 2
74 Brasil7 19
75 brasil8 19
76 brasil9 "9º subreddit oficial do Brasil" 20
77 brasil99 "O fã-clube brasileiro do Toto" 40
78 brasilbackup "Faça backup antes de jogar algo pouco testado" 2
79 brasilcentro "Primeira comunidade Brasileira de extremo-centro do reddit brasileiro" 209
80 brasilcentro_drama 0
81 BrasilCrossFit 1
82 BrasildaDepressao "Subreddit para divulgar o que há de certo e errado no Brasil" 37
83 BrasilEdu "O subreddit é dedicado a publicação de conteúdo ou de perguntas, na língua portuguesa, sobre as disciplinas para a educação básica, academia, ocupação e ao trabalho" 30
84 BrasilEsportes "Página dedicada aos brasileiros do mundo todo para falar dos seus esportes preferidos além de notícias, eventos, etc e também, porque não, um espaço para darmos aquela trolada no time adversário" 121
85 BrasilFantastico "Subreddit em Português para discussão de tudo relacionado aos gêneros de ficção científica, fantasia e horror" 2
86 brasilisentao "A bolha acima e entre todas as bolhas" 12
87 BrasilReceitas "Receitas culinárias em português" 1
88 brasilsilsil "Compartilhe e discuta qualquer conteúdo que possa interessar aos brasileiros" 2
89 Brasucas "Comunidade livre para brasucas" 1
90 BrazilianOffDutyCop 2
91 braziltalk 2
92 BRchan 11
93 breja "Recomendações, Reviews e Resenhas de cervejas de todos os tipos" 7
94 bresil "Postagens em português" 3
95 brgonewild "Paraíso das musas tupiniquins" 5843
96 BRSingleMalt "Informações sobre Single Malt em Português" 10
97 Calopsita "Subreddit para quem ama psitácideos" 4
98 Camino 41
99 CaminoDeSantiago 3944
100 campinas 163
101 Canhotos_bandidos "Subreddit destinado para postagens de material que mostra atos ilegais de esquerdistas" 4
102 capeta 3
103 Capina "Bem vindo a este recinto maravilhoso do Capinaremos na internet" 460
104 Capinaremos "Refugiados do Capinaremos" 25
105 capitaofausto "Tudo sobre a banda portuguesa" 16
106 capivara "Melhor Pokemon da região brasileira" 6
107 capoeira 3813
108 capoeiraangola 91
109 CARALHO 3
110 CasosIsolados "Casos isolados de violência policial no Brasil" 3
111 cati "Subreddit da Cati Jr." 2
112 cefetianos "Para discussões de coisas do CEFET" 7
113 cellbits "Bem vindo ao subreddit do cellbit, o fundo do poço" 80617
114 CeltadeVigo 3
115 CemiteriodoHumor "O sub onde você posta as coisas mais sem graça da história Tupiniquim" 13
116 changemyviewbr "Um lugar para postar uma opinião que você admite que pode ser falha, em um esforço para entender outras perspectivas sobre o assunto" 4
117 Charuto "Informações sobre Charuto cubanos e off Cuba" 5
118 chocolage 2
119 chocolatedebolo "Receitas com chocolate do blog Chocolate de Bolo" 4
120 ChupacabraBrasil "Só conspiração e teorias bizarras" 2
121 cidadaosdebem 219
122 CienciaEconomica "Discussões sobre a ciência econômica, em português" 154
123 cineastas "Redditores da comunidade de Cineastas e Actores do Porto" 1
124 circulodepunheta "Porque o portugal não é um" 2
125 circuloidiota 188
126 clubedolivro 4
127 clubedorap "Espaço para vocês compartilharem e ouvirem músicas de rap como prioridade" 86
128 ComeuAPasta 39
129 Compostela 47
130 computando 1
131 ConcursosBR 510
132 conspiracao 3
133 ContosEroticos "Contos Eróticos em Português" 58
134 contraAO "Redditores contra o acordo ortográfico" 16
135 ConversaDeCafe "Proporcionar aos redditors que falem a língua de Camões um espaço de conversa casual sem nenhum tópico central" 6
136 convivio "Um sub de língua exclusivamente portuguesa que serve como espaço de convívio para portugueses (naturais)" 15
137 copadomundo "Subreddit direcionado a discussões sobre a Copa do Mundo" 3
138 correios 1
139 corrupcao "Subreddit para publicação de notícias, criação de debates e denúncias (anónimas ou não) acerca da corrupção em Portugal" 221
140 corrupcaopt "Para acumular os casos de corrupcao que se vao ouvindo, e para começar a pensar em como fazer justiça" 51
141 CPLP "Comunidade dos Países de Língua Portuguesa" 305
142 criptoeconomia 6
143 criptomoedas "Primeiro subreddit em português dedicado a discutir tudo relacionado a criptomoedas no Brasil" 224
144 cristianoronaldo 1318
145 cristianosequeira 0
146 CriticaConsolistaFoda "O câncer acabou de chegar na página frontal da internet" 19
147 Criticas "Esse é um espaço para a divulgação e discussão de críticas" 67
148 CriticaSocialFoda 70
149 CrossFitnoBrasil 1
150 cuidadocomoqueposta 2
151 culinaria "Se deseja dar a conhecer receitas interessantes escritas na língua portuguesa este é o lugar ideal" 55
152 Cultivonha "Esse subreddit tem como objetivo compartilhar experiências e dúvidas sobre o cultivo indoor e outdoor da planta Cannabis" 223
153 cultobastter "Para aqueles que acreditam que a Bastter.com eh um culto pega-sardinha tanto quanto os outros sites de investimento" 4
154 culturapopnerdgeek "Um espaço brasileiro para discussão sobre filmes, séries, games, livros, HQs e tudo mais o que amamos" 267
155 DarknetMarketsBrasil 43
156 Deportivo 114
157 Desciclopedia "A enciclopédia livre de conteúdo" 4
158 desclassificados "Classificados que não se classificaram tão bem como classificados" 54
159 desenrasque "Solução para quando não há soluções e temos de entregar aquilo amanhã" 2
160 designBR "Subreddit para designers brasileiros compartilhar artigos, trabalhos, pedir opiniões e interagir com outros companheiros de profissão" 19
161 Deus 1
162 Deusolivre "Coleção de melhores momentos vividos no brasilivre" 4
163 devBR "Subreddit para programadores e desenvolvedores web brasileiros compartilhar artigos, trabalhos, pedir opiniões e interagir com outros companheiros de profissão" 54
164 dicasdollyinho 1
165 dinheiroonline "Dicas para levantar um $ extra através de ferramentas online" 6
166 Direita "O subreddit da direita brasileira" 194
167 disco_bar "O sítio para onde deverão vir os vídeos e as imagens soltas que acabam habitualmente publicadas no disco-bar.blogspot.com" 10
168 dndPortugal "Uma sub dedicada a tudo sobre Dungeons & Dragons, de criação de mundos a homebrews, tudo em português" 37
169 DoctorRey2018 "Subreddit para apoiar o futuro presidente brasileiro" 1
170 dogecoinbr "Grupo de fomento ao dogecoin no Brasil" 6
171 dogecoinbrasil "Aqui é o lugar para reunir todos os interessados na nova moeda virtual baseada no Litecoin, o Dogecoin, que vem causando sensação desde seu aparecimento" 62
172 Doriana "Notícias sobre o prefeito de São Paulo" 4
173 DragonBallLegendsBR "Encontre tudo sobre Dragon Ball Legends totalmente em português e discuta com outros jogadores do Brasil" 9
174 droga "Discussão sobre drogas em português" 6
175 Eder 2357
176 ElCaminoDeSantiago 112
177 electronicapt "Comunidade de electrónica e FPGA em Portugal" 53
178 eletronica "Subreddit dedicado aos estudantes, hobbistas e qualquer pessoa interessada em entender melhor a magia por trás dos circuitos eletronicos" 17
179 emberwood 59
180 Empreendedor "Subreddit de empreendedorismo em português" 6
181 Empreendedores "Subreddit de empreendedorismo em português" 3
182 empreendedorismopt "Um espaço para discutir o empreendedorismo em Portugal" 1
183 Engenharia "Subreddit dedicada a discussão sobre assuntos relacionados a engenharia em português" 21
184 engenhariacivil "Discussão sobre Engenharia Civil" 78
185 engenhariaquimica "Essa comunidade é destinada a assuntos referentes a área da engenharia quimica" 27
186 EnoughNovoSpam 33
187 equilibrio "Um subreddit brasileiro dedicado ao crescimento pessoal e à busca por um estilo de vida saudável e equilibrado" 241
188 EscreviSaiCorrendo 1
189 esquerdabrasil "Este é um espaço para a discussão de ideias e dos ideais de Esquerda" 4
190 estilo "Um lugar para discutir tendências, hábitos, roupas, promoções, acessórios, modas e outros fatores que demonstram seu estilo de vida" 14
191 eu_nrdd "me_irl versão tuga" 2
192 eu_nvr_tuga "me_irl versão tuga" 29
193 eunvr 1
194 EuTavaLa "Apenas fanfics verídicas" 0
195 Exmormonportugues 72
196 fabricadenoobs "Canal Brasileiro voltado para computação" 2091
197 facebooktuga "oldpeoplefacebook mas em português" 0
198 faisca 1
199 FanficsdeEsquerda 4
200 farense "O Sub dos fãs do Sporting Clube Farense" 5
201 FCdoBrasil "Página para divulgar obras, sites de leitura com obras em português, além de conversarmos sobre o gênero aqui nas terras tupiniquins" 14
202 Felca "Felca do Youtube, o pewdiepie brasileiro" 9
203 FeminismoBrasil "Uma comunidade pras minas trocarem ideias sem serem hostilizadas pelos homens do reddit brasileiro" 240
204 FestivaisPortugal "Partilhar futuros festivais e experiências de festivais anteriores" 3
205 FFBRExvius "Sub em português para os jogadores de Final Fantasy Brave Exvius" 6
206 FicouGratis 1980
207 fifabrasil "Subreddit dedicado a comunidade brasileira do jogo FIFA, para todos os consoles e PC" 32
208 firefox_portugues "Ponto de partilha de informação e discussão sobre o navegador Mozilla Firefox, aqui se conversa e se informa a respeito desse navegador" 3
209 Fisicou "Sub criado com o objetivo de dialogar sobre ciências e afins" 72
210 FlamengoOficial "O subreddit do Mais Querido do Brasil" 39
211 fodase 1
212 Folclore "Reddit sobre o Folclore Português, partilha, discussão e divulgação da tradição portuguesa" 3
213 ForniteBR_Portugal "Um sub-reddit dedicado ao FortniteBR tudo em português, com o objetivo de aproximar a comunidade portuguesa, e ajudar no que for preciso" 1
214 fortniteportugal "Um sub-reddit para discutir sobre Fortnite (PvP e PvE) em Português" 4
215 FrancisMartins 83
216 freelancerspt "Um sub para freelancers Portugueses para discussões relevantes em Português" 117
217 freelasBR "Subreddit destinado a oportunidades, informações e perguntas para Freelancers e Profissionais Autônomos no Brasil" 44
218 futebolamericano "Notícias e conteúdo sobre ligas oficiais como NFL e CFL em português" 1
219 futebolantigo "Subreddit direcionado a discussões sobre campeonatos antigos e times do passado do futebol" 1
220 futebolbrasil "Subreddit direcionado a discussões sobre o Brasileirão e a Copa do Brasil" 1
221 futebolemportugal "Local de discussão civilizada, ou talvez não, sobre futebol em Portugal" 50
222 G0ularte "Um subreddit criado para os inscritos conversarem, mandarem ideias, memes, etc" 13254
223 Galiza 760
224 GalizaCarallo 3
225 gamerbrasil "Subreddit dedicado ao Gamers Brasileiros" 51
226 gauchosBR "Um sub para tudo e todos do grande estado do Rio Grande do Sul" 34
227 Geaaaaaaaaaaada 1
228 GeekBR "Aqui é onde essa grande massa geek brasileira que só cresce a cada ano pode compartilhar notícias, imagens, textos, e etc" 29
229 geopolitica "Espaço para discussões de geopolítica e política internacional" 345
230 gerir_pequeno "Empreendedorismo, Micro-empresas e divulgação" 2
231 gestao 1
232 glpi_brasil 101
233 godot_brasil "Comunidade para os brasileiros interessados em estudar e tirar dúvidas sobre Godot Engine" 85
234 GTAorBrazil 392
235 heraldica "Tudo o que seja relacionado com escudos, brasões de armas e heráldica em geral" 7
236 hfm "Hoje fiz merda" 23
237 HistoriaBr "Subreddit para conversar sobre assuntos de História (com H maiúsculo, por isso a ciência), em português do Brasil de preferencia" 34
238 HoraDaComida "Sub dedicado para compartilhar receitas feitas por vocês próprios ou belas comidas compradas por vocês" 42
239 humorpt 2
240 humortadela 2
241 Ibipora "Sub da cidade de Ibiporã / PR" 1
242 IMPAVIDOCOLOSSO "Nação gloriosa de belezas naturais" 59
243 Impressao3D "Comunidade para discutir sobre impressoras 3D, dicas, técnicas, além de falar sobre modelagem e assuntos afim" 26
244 InClubMaster "Aqui divulgaremos notícias sobre projetos e campanhas do InClub do colégio Master" 1
245 intercambio 8
246 INTESTINOIRRITADO 16
247 introvertidos "Reddit sobre introversão em português" 2
248 investir 12
249 IsabeliFontana 285
250 ISPsPortugal "Um lugar para discutir apenas artigos relacionados com os operadores de telecomunicações de Portugal" 4
251 jamorim "Os melhores vídeos da internet gaucha e brazileira" 25
252 JeanWyllys 0
253 Joinville 6
254 jovemnerd "Revivendo esse subreddit ligado ao mundo Jovem Nerd: Nerdcast, Nerdplayer, MatandoRobosGigantes, NerdOffice NerdStore... Etc" 749
255 KaikerTV "Deixe Memes para o canal do Kaiker" 20
256 Kaskaria "Seu repositório diário de memes, vídeos engraçados e outras coisas sem utilidade" 3
257 KetoPortugal "Como seguir uma dieta Keto em Portugal" 45
258 lageball 1
259 Lagoa "Um subreddit para tudo e mais alguma coisa relacionado com Lagoa, Algarve, um lindo município do sul de Portugal" 1
260 LeagueofLegendsBR 99
261 letsplaypt "Um subreddit dedicado a let's plays (gameplays comentados) feitos no idioma português com o intuito de reunir links úteis, feedback e aumentar a interação com outros let's players" 2
262 libertarios "Bem-vindos Libertários de Portugal" 5
263 ligadoscampeoes "Subreddit direcionado a discussões sobre a UEFA Champions League" 1
264 linksfilmesonline "Comunidade brasileira para pedir ou compartilhar links de filmes online, de preferência filmes legendados e também algumas séries" 12
265 linux_portugues "Esse é um subreddit para interessados em informação relacionada a GNU/Linux" 20
266 LisboadeBorla 7
267 literati "Subreddit de programação e desenvolvimento de sistemas em português" 3
268 LiteraturaPortuguesa "Um local para partilhar escritores em português, seja em prosa ou em verso" 109
269 livrosdeportugal "Um subreddit para discutirmos livros em Português de Portugal" 1
270 LoLBR 26
271 lolportugal "Subreddit em português e para portugueses sobre League of Legends" 8
272 londrina "Velas, choros, lamentações e poesias a respeito de Londrina/PR" 39
273 loylinha "Subreddit da layla" 885
274 LugardeIdeias "Um lugar para refletir, questionar e debater" 41
275 LuizPhilippe "Em apoio ao nosso Dep. Federal Luiz Philippe de Orléans e Bragança" 1
276 luso 1
277 lusowiki "O melhor espaço para a partilha de tudo o que é lusófono e para ajudar quem estuda esta área" 30
278 Luxemburgo "Um subreddit em português dedicado à atualidade luxemburguesa" 3
279 macae 3
280 mamaspapasbebes "Reddit de apoio ao site "Ser Pai é..." e local de discussão de ideias acerca da Paternidade / Maternidade" 3
281 Manaus "Sub dedicado a cidade brasileira de Manaus, capital do maior estado do Brasil, Amazonas" 158
282 MancheteCorrigida "Inspirado na iniciativa gringa do HeadlineCorrections, o Projeto de Correção das Manchetes Fake News nasceu para combater as mentiras e engodos da Grande Mídia" 88
283 mandanudes 67
284 maquiagembrasil "Não limitado para apenas marcas brasileiras, mas um espaço para discutir maquiagem e cosméticos em português (br)" 3
285 Marinho 4
286 MariParaiba 533
287 marketplacebr "O espaço para discussões sobre a venda em marketplaces no Brasil" 4
288 MaseoPT "Aqui são postados prints de brasileiros tentando justificar as ações de certos políticos enquanto cita o PT ou o Lula" 15
289 mattayahu 2052
290 mau_pm_nao_propina "Histórias de abuso policial incluindo: abuso de poder, corrupção e outras desgraças em estados policiais em expansão" 32
291 mbtipt "Discussões sobre a classificação tipológica de Myers-Briggs e outros relacionados" 0
292 MCKevinho "Sub dedicado do hitmaker MC Kevinho" 3
293 Mecatronica "Para o aprendizado e discussões sobre Mecatrônica em português" 2
294 Medianeira "Cidade de Medianeira / PR" 1
295 memesinspiradores "Inspirado no wholesomememes, um sub para postar memes inspiradores, saudáveis, gentis e incríveis" 217
296 MemesPrimeiraLiga "Memes e shitposts do Futebol Português" 197
297 MemesUmidos "Tipo o dankmemes mas com menos graça" 2
298 Mensagemdeaniversario "Lindas mensagem de aniversário para você compartilhar e curtir com suas amigas e amigos" 1
299 mercados "Sub dedicado à partilha de notícias/opiniões sobre mercados, finanças, empresas e economia" 5
300 merdapostagem 30
301 mlsfutebol "Subreddit direcionado a discussões sobre a Major League Soccer (MLS)" 2
302 modacomtesao "Moda em português aqui no Reddit" 4
303 mormonsud "Sub para membros, amigos e curiosos a respeito da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias (aka 'Igreja Mórmon')" 2
304 motivacionais "Vem ler, commentar, copiar, ou republicar, os nossos maravilhosos pósters motivacionais" 1
305 MPB 61
306 msd 5
307 mudarportugal "Falar aqui de propostas construtivas para mudar portugal" 101
308 mudeminhaopiniao 127
309 Mulher "Tudo relacionado ao universo feminino em português" 6
310 mulherdepau 61
311 mundialdeclubes "Subreddit direcionado a discussões sobre o Mundial de Clubes da FIFA e a antiga Copa Intercontinental" 1
312 naoecebola 1
313 NaoSalvo "O primeiro subreddit não-oficial para leitores e ouvintes do NãoSalvo" 136
314 nbabasquete "Subreddit direcionado a discussões sobre a National Basketball Association (NBA)" 1
315 NBAPortugal "Espaço para discussões e partilha de notícias relacionadas com a NBA" 23
316 nerdice "Tudo sobre o universo nerd e geek na internet" 1
317 NewsBahia "Só noticias da Bahia" 27
318 NewsBrasil "Noticias dos jornais online do Brasil" 409
319 Neymar 362
320 nflesuperbowl "Este subreddit é direcionado a discussões sobre futebol americano" 1
321 nomadaspt "Quando já não sabes de onde és e o planeta é a tua casa" 1
322 Nordeste "Orgulho de ser nordestino" 6
323 NoticiasBrasil 44
324 NoticiasPT "Notícias em Português" 1
325 Nova_Economia 2
326 Novidades "Adicione o seu WebSite ao nosso directório" 3
327 novismo "Movimento onde ponho minhas anotações como historiador" 3
328 O_Marcelo 1
329 Observatorio "Ambiente em língua portuguesa para astrônomos amadores, fãs de astronomia, curiosos, estudantes, professores e profissionais da área" 1
330 OffDutyBrazilianCop 16971
331 offdutycopinbrazil 91
332 Olavo_de_Carvalho 2
333 oSul "Apenas coisas relacionadas ao Sul" 1
334 ourem "Ourém é um município português pertencente ao Distrito de Santarém" 1
335 pacotedeprincipiante "Poste Starter Packs em português" 64
336 paetesao 3
337 PaoDeQueijo 2
338 Paraiba 5
339 partidonovo 9
340 PastaPortuguesa 877
341 PastorPreso "Coletânea de notícias de pastores sendo presos por caixa dois, molestar crianças e mulheres, perversões, entre outros crimes bizarros que eles sabem cometer melhor do que ninguém" 1
342 PatriaAmada 16
343 paunocu 3
344 PauNoCuDosCorreios 18
345 pbeBrazil2014 2
346 pbeBrazil2016 20
347 PENSOLOGOSOU "Arquivo de notícias, entrevistas, documentários, artigos de opinião, artigos científicos, livros e teses académicas relacionadas com as temáticas da Política das Drogas em Portugal" 44
348 pequenasempresas "Subreddit brasileiro para discutir ideias e problemas de micro e pequenas empresas" 1
349 perolasdofacebook "O melhor da internet brasileira" 3
350 personalfinancebrasil 5
351 personalfinancebrazil 2
352 petropolis 7
353 piadapronta 1
354 Piaui 5
355 PilulaVermelha "Comunidade em português baseada na de língua inglesa 'The Red Pill'" 37
356 pimenta 2
357 Pipoca "Loucos por filmes e séries" 21
358 PizzaComAnanas 5
359 placas "Fotos de placas" 10
360 PocketManBad 3
361 PodcastUbuntuPortugal "Podcast da comunidade portuguesa de Ubuntu" 8
362 PokerBrasil "A primeira comunidade brasileira e em português sobre Poker" 28
363 polemicas "Subreddit em português criado para discutir assuntos polêmicos sem qualquer tipo de censura" 74
364 polemicas2 "Backup do polemicas" 1
365 poliamor "Este é um lugar de amor livre. Vamos debater sobre nossas dificuldades e realizações poliamoristas" 62
366 PoliticaMundial "Uma comunidade voltada aos assuntos políticos, econômicos e filosóficos, com o intuito de reunir pessoas diferentes com pensamentos diferentes para que possamos discutir e debater sobre o mundo a nossa volta" 10
367 pontoXbr "Comunidade em português para aqueles que gostam de fazer o trabalho, seja próprio ou comercialmente" 1
368 popbrasil 6
369 portela "Portela de Sacavém" 17
370 Portgueis "Igual ao Engrish, mas com português" 19
371 PortoSexDating 20
372 Portugalia "Sub-Reddit para todos os portugueses à volta do mundo" 3
373 portugalliberal "Um espaço de discussão positiva e objectiva mas com a missão de tornar Portugal mais liberal" 59
374 PortugalNostalgico "O melhor (ou o pior) que já passou por Portugal" 1
375 PortugalPsicadelico 1
376 portugaltech 1
377 Portuges "Igual ao Engrish, mas com português" 2
378 preocupados 4
379 Preto 1
380 primeiraligamemes "Memes e shitposts do Futebol Português" 0
381 privacidade 21
382 ProducaoMusical "Essa comunidade tem o intuito de unir os produtores musicais brasileiros para uma troca de experiências, dicas, ferramentas e mais coisas voltadas a produção musical" 37
383 programacao "O subreddit programacao é destinado para toda a comunidade de programadores que falam a língua portuguesa" 683
384 projeto "Comunidade de discussão sobre diretrizes para uma nova cidade, baseada na igualdade de pessoas, conservação ambiental e promoção da inovação tecnológica e científica" 7
385 ProjetoHumanos "Projeto Humanos é um podcast que busca explorar um formato ainda pouco explorado no Brasil, o storytelling, popularmente utilizado em podcasts dos EUA, tais como Radiolab, This American Life e Serial" 2122
386 psdb 1
387 PsicologiaBR 177
388 PTchan 40
389 PUCRJ "Reddit destinado à Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro" 3
390 pythonbr "Subreddit sobre a linguagem de programação Python, em português do brasil" 75
391 Quadrinhos "Seu ponto de encontro para notícias e descoberta de HQ, Comix, Graphic Novels‎, Charges e mídia geeks em geral" 36
392 racionalidade "Uma comunidade de racionalidade aplicada em Português" 24
393 RainbowSixBrasil 4
394 Rapadura 1
395 rasil "Visite o /brasilivre" 1
396 rbrasil "Subreddit para notícias e discussão de assuntos relacionados ao Brasil" 146
397 Receitas_LowCarb 1
398 recomendo "Sub para compartilhar recomendações de produtos, serviços e qualquer outra coisa que valha a pena" 1
399 RedditMithrilBot 2
400 RedeGlobo 2
401 reinaldoazevedo 4
402 ReinosEsquecidos 2
403 relacionamentos "Chegue ai e conte o seu problema" 5
404 Reliquias 2
405 retrogaming_br "Um subreddit em português sobre os consoles e jogos da era de ouro dos videogames" 94
406 RockInRioBrazil 5
407 rodellus "Junta-te ao movimento e faz parte desta mudança" 1
408 rolesdodaciolo "Rolês do Cabo Daciolo" 25
409 rolesdoronaldinho "Rolês do Ronaldinho Gaúcho (R10) pelo mundo" 648
410 RonaldinhoSoccerCoin 14
411 ronaldo 635
412 Roraima 2
413 rubronegro 29
414 Ruilhe "Assuntos sobre Ruilhe" 1
415 sapucai 12
416 SaraSampaio 3935
417 segurancainformatica "Notícias de segurança informática em Português" 9
418 SelecaoPortuguesa "Subreddit dedicado a todos os escalões da seleção portuguesa de futebol" 1
419 semanasdemoda 5
420 SemCensura "Comunidade dedicada ao 'Sem Censura', programa de entrevistas exibido pela TV Brasil" 15
421 SerGamer "Ser gamer, ser um jogador" 4
422 SexoBR "Uma comunidade destinada a discussões que dizem respeito a todos os tipos de dúvidas/práticas relacionadas ao sexo e relacionamentos" 117
423 shieldbr "Página em português dedicada à entretenimento e notícias sobre a série Marvel's Agents of S.H.I.E.L.D" 2
424 sigaopolitico "Um guia para te ajudar a acompanhar os seus representantes políticos nas redes sociais" 3
425 SLB 5
426 slBenfica 28
427 soccerPT "Futebol em Português" 5
428 sociedade "Esse é um subreddit destinado para a discussão de assuntos pertinentes à sociedade brasileira" 37
429 Solteiros "Local para solteiros e solteiras se descobrirem, conversarem" 64
430 SouthAmericaMemes 828
431 SpamGenericoPT "Posta aqui, que assim ninguém vê nem se chateia" 2
432 SPQAM "O Senado e Povo de Arstotza Magna é uma miccronação fundada no dia 18 de março de 2017, pelo imperador Caesar Vulpes Petrus Machadus" 1
433 stackunderflow "Poste algo útil para desenvolvedores" 52
434 startups_pt "Discussão sobre o mundo das startups em Portugal" 2
435 StateofRiodeJaneiro 28
436 sucodedornosossos 10
437 suicidiorelogio "https://www.cvv.org.b" 2
438 SupercarrosPortugal "Aqui podem pôr todos os carros raros ou invulgares que encontrarem" 12
439 Tapioca 6
440 TarantinoPTBR "Comunidade em português sobre o diretor, ator, roteirista e produtor Quentin Tarantino" 2
441 Taubate "Sugestões para o cidadão de Taubaté e região" 5
442 tema_de_base_preta "Aqui temas para ambientes gráficos cuja sua cor base seja a cor preta" 2
443 terapia 2
444 teste1323323 1
445 TesteSporting 3
446 the_adenor "Este sub é uma homenagem singela a Sua Autoridade Campal, Dom Tite I, Treinador Fenomenal e Defensor Perpétuo do Joga Bonito e à trupe que trará a taça de Didi, Garrincha, Pelé, Romário e Ronaldo de volta ao lar" 300
447 the_bolso "Subreddit dedicado a troca de informações, notícias e discussões sérias sobre a candidatura de Jair Bolsonaro para a Presidência do Brasil nas eleições de 2018" 1
448 timecircojeca 6
449 TioDoBemEstar 1
450 titulodopalmeiras "Títulos recentes do palmeiras" 2
451 Tocantins 7
452 TodosContraOArtigo13 1
453 Tomar "Tomar é uma cidade portuguesa" 4
454 transbr "Um lugar para discutir tudo relacionado a comunidade trans brasileira" 418
455 transumanismo "Sub lusófono para discussão e compartilhamento sobre transumanismo" 2
456 trashyBrazil "Um recorte da sociedade mau caráter, imunda e irresponsável que temos no Brasil de 2019" 14
457 TrocaIniciais "Um subreddit onde podes divertir-te a trocar iniciais" 1
458 TrocasPKMBrasil "Subreddit em português para facilitar os brasileiros, e quem não consegue se expressar bem em inglês" 6
459 TropicalRussians 81
460 tugao "Subreddit sobre futebol" 2
461 TVIPortugal 4
462 TwitchBrasil "Subreddit feito com a intenção de discussão em português de qualquer assunto exclusivamente sobre Twitch ou streaming em geral" 6
463 UFES "Subreddit da Universidade Federal do Espírito Santo" 18
464 ufpr 4
465 ufrgs "Para alunos, professores ou funcionários da Universidade Federal Do Rio Grande do Sul" 25
466 UFSC 139
467 ufscar "Subreddit da Universidade Federal de São Carlos" 13
468 Umbanda 20
469 unb_brasilia "Subreddit para a Universidade de Brasília" 25
470 unexpectedRicardo 94
471 Unicamp "Um canal para noticias e bate papo amigável sobre uma da mais bem conceituada universidade da América Latina" 220
472 UNIFESP 2
473 UnivAveiro "Subreddit não-oficial da Universidade de Aveiro" 3
474 unix_porno_portugues 27
475 uouuuuxi "Versão em português do woooosh" 0
476 UTFPR "Subreddit sobre a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, antigo CEFET-PR" 40
477 Vermelho 1
478 vidadigital "Um guia prático para resolver seus problemas digitais" 3
479 VidaSaudavel "Subreddit para pessoas que desejam compartilhar informações e dúvidas sobre qualidade de vida" 4
480 videojogo "Lugar dedicado a videojogos em português" 1
481 VideosEmPortugues "Um subreddit para videos em português" 38
482 VideosPT "Um subreddit para videos em português" 6
483 VIGO "Porta do Atlántico e feudo de Abel Caballero" 93
484 ViraLataComplexo "Coletânea de perolas daqueles que sofre de Complexo de Vira-Lata pela Web" 2
485 virjao 1
486 vitoriaES "Um dia essa comunidade terá vários capixabas" 37
487 WhiskyBrasil "Grupo sobre Whisky em Português" 1084
488 WordPressBrasil "Esse subreddit é dedicado a assuntos relacionados com WordPress em português" 20
489 xiaomibrasil "Comunidade brasileira de usuários da Xiaomi" 4
490 Xuxa 2
491 ytmv 16
492 zico10 "SubReddit dedicado ao Zico, maior jogador da história do Clube de Regatas do Flamengo" 13
493 zika_pt 14
494 ZonaBrasil "Um subreddit em Português de postagem livre, estilo 'doa a quem doer'" 15

Flairs

nome condição de funcionamento
ativo automatizada
novo automatizada
reativado descontinuada
inativo automatizada
sem moderação automatizada
internacional descontinuada

Multireddits

novos
m/emportugues7
m/emportugues8
m/emportugues9
m/emportugues10
m/emportugues11

Lançamentos

nome funcionalidades básicas repositório
Auto-moderador verifica todas as postagens e comentários; remove postagens que não seguem regras básicas do sub; comenta informando a respeito da regra desrespeitada e notifica a equipe de moderação. link
Robô verifica todas as postagens do sub diariamente; posta um comentário fixado com informações sobre o sub linkado em cada postagem; registra o nome de cada sub linkado, comentário feito e postagem analisada no servidor; atualiza os comentários salvos com informações recentes sobre cada sub; verifica a situação de cada sub salvo e atualiza flairs e marcações NSFW de postagens quando necessário; verifica as postagens recentes e remove postagens com links para subs já listados. link
Crawler carrega e confere a lista salva no servidor diariamente, remove subs banidos ou privados da lista e registra no servidor; coleta informações de todos os subs listados e registra todos dados coletados de cada sub listado de forma compacta no servidor. link
Site carrega uma série de recursos e forma a tabela; carrega os dados sobre todos os subs listados salvos no servidor; formata os dados salvos e exibe no endereço emportugues.org uma tabela com informações sobre cada sub linkado em postagens no sub; permite filtragem dos dados por meio de buscas e fornece links relevantes para usuários. link
Aplicativo carrega os dados sobre todos os subs listados salvos no servidor; formata os dados salvos e exibe em dispositivos Android uma tabela com informações sobre cada sub linkado em postagens no sub; permite filtragem dos de dados por meio de buscas e fornece links relevantes para usuários. link
Mais informações sobre os lançamentos na wiki.

Novidades

Esta compilação deveria ter saído há semanas, porém muita coisa aconteceu desde a apresentação do sub em fevereiro de modo que até o compromisso semestral deve ser alterado por conta dos produtos da colaboração com u/6-bit que inspirou o desenvolvimento e criou os códigos fundamentais para toda essa gambiarra funcionar.
Não é tanto, mas foram seis meses trabalhando remotamente no tratamento de dados dos subs listados para lançarmos agora um site e um aplicativo para Android com o banco de dados de subs em português ou sobre cultura lusófona com mais informações do que as tabelas destas compilações e atualizados diariamente graças a um crawler; aqui também aproveitamos para apresentar u/BoEmPortugues para cuidar do sub junto com u/AutoModerator.
Pedimos paciência por parte de vocês ao usarem estas ferramentas porque elas acabam de ser apresentadas, então começaremos a tomar conhecimento de uma série de erros e comportamentos inesperados daqui pra frente; para saber mais sobre o funcionamento e ajudar na manutenção, visitem a nossa organização no GitHub.
Com esses códigos abertos também incentivamos a participação da comunidade lusófona do Reddit no aprimoramento dessas ferramentas e adoraríamos contar com a colaboração de redditors que tenham interesse e competência para colaborar com programação, design, tradução etc.
E não podemos deixar de dizer que ficamos contentes pelo crescimento do sub durante esses meses e agradecer pela confiança; esperamos que a automatização de várias tarefas dentro e fora do sub bem como a administração de dados de quase 1000 subs lusófonos possa melhorar a função principal do EmPortugues que é dar visibilidade a outros subs que falam a nossa língua no Reddit durante o início da era das máquinas.
⟵ 1ª compilação com 503 subreddits tabelados em fevereiro de 2019
submitted by JorgeAmVF to EmPortugues [link] [comments]


2019.09.25 02:33 O-Pensador A Justiça Criminal Anarquista

Por Chad Nelson
Com as frequentes notícias sobre reformas no sistema criminal, este é um bom momento para revisitar algumas das várias abordagens anarquistas para a questão dos crimes e punições. Uma delas, delineada por Robert Anton Wilson e Robert Shea no artigo Anarchism and Crime, permanece tão relevante hoje quando na época em que foi escrita — nos anos 1970, durante a Guerra do Vietnã, o escândalo do Watergate e toda a instabilidade social de então. Anarchism and Crime não foi o primeiro trabalho conjunto de Wilson e Shea. Eles também foram coautores da clássica trilogia de ficção científica Illuminatus! e também já haviam trabalhado juntos como editores na revista Playboy. Os dois continuaram a trabalhar juntos por toda a vida, editando e escrevendo para várias das mesmas publicações. Grande parte de seus trabalhos mais interessantes (embora esquecidos) de crítica social estão enterrados em jornais e revistas obscuros publicados ao longo de cinco décadas. Anarchism and Crime é um desses artigos, originalmente escrito para a revista neopagã Green Egg.
Wilson e Shea começam Anarchism and Crime abordando a questão mais óbvia: “E quanto aos assassinos, ladrões e estupradores? O governo nos protege dessas pessoas atualmente. Você simplesmente os deixaria soltos?” Mas antes que eles abordem essa inevitável e importante objeção ao anarquismo, Wilson e Shea cuidadosamente avaliam o sistema criminal atual administrado pelo estado. Com isso, eles contestam as premissas falhas em que a questão se baseia.
Como muitos anarquistas anteriores, os autores abrem sua avaliação do sistema de justiça criminal estatal afirmando que o próprio estado é a maior organização criminosa de todas. Ao reivindicar um monopólio sobre o uso legítimo da força, o estado autoriza a si mesmo a execução dos maiores crimes — roubo, fraude e assassinato em larga escala. Como Wilson e Shea observam, “grandes bancos, corporações e monopólios fundiários financiam ambos os partidos políticos”, garantindo que o estado jamais perca seu poder sobre os cidadãos e que os financiadores do estado continuem a se beneficiar.
Por conta da ênfase do estado em proteger seus privilégios legais, ele tem poucos recursos para dedicar à punição de “pequenos” crimes, como roubos, assassinatos e estupros, fazendo com que, em sua maior parte, eles permaneçam sem resolução. Como Wilson e Shea reconheceram já em 1974, a função primordial das forças policiais estatais é esmagar “crimes” de comércio de drogas que desafiam o monopólio estatal sobre esse mercado. Ao se depararem com a gigantesca organização criminosa conhecida como estado, Wilson e Shea não pedem mais leis, leis melhores ou governantes melhores. A única ferramenta que o estado tem em seu arsenal é a força coercitiva. Um maior uso da força só pode fazer com que surjam mais proibições para os cidadãos. Acrescentar mais leis ao corpo legal só pode nos levar ao ponto que Wilson e Shea descrevem em que “tudo aquilo que não é obrigatório é proibido e tudo que não é proibido é obrigatório”. Com essa evolução rumo ao estado policial, as burocracias administrativas crescem como um câncer, até chegar ao ponto em que todos os membros da sociedade devem policiar seus vizinhos para que as leis do estado sejam efetivas.
Antes de considerar o que constitui o direito criminal legítimo em uma sociedade anarquista, Wilson e Shea analisam o que significa legitimidade no atual sistema criminal. Há três categorias gerais de leis criminais, de acordo com os autores. As primeiras são as leis de “demonstração de poder”: leis nas quais o estado declara quanto pode roubar legitimamente dos cidadãos através de impostos e os propósitos para os quais ele pode fisicamente escravizá-los. São as leis menos questionadas e servem para reforçar o status da classe dominante. Essas leis são as mais fundamentais do estado.
A segunda classe de leis estatais serve para coação moral e pretendem coibir crimes sem vítimas (isto é, certos usos de drogas, sexo, comportamento, etc.). Embora ninguém seja prejudicado por essas atividades declaradas ilegais, o estado afirma sua moralidade sobre toda a sociedade pela força da lei. São leis que permitem ao estado exercer ainda mais controle (e, assim, têm interseção com a primeira classe de leis) e também servem para proteger certos elementos de seu esquema criminoso. Wilson e Shea dão alguns exemplos de leis morais coercitivas: “Não jogarás Parcheesi em noite de lua cheia. Não apostará em jogos de azar aos domingos. Não farás amor com sua esposa da forma que vocês dois gostam, mas da maneira que os legisladores preferem”. Através de seu tratamento jocoso das leis morais do estado, Wilson e Shea destacam seu completo absurdo. Infelizmente, milhões são oprimidos pelo sistema criminal simplesmente por não obedecer à moral absurda imposta pelo governo.
A terceira classe de leis criminais envolve aquelas com as quais a maioria das pessoas, senão todas, concordam: “É proibido roubar. É proibido estuprar. É proibido fraudar.” Em outras palavras, são aquelas leis quase universais e que nenhum legislador precisa aprovar para que sejam observadas. Wilson e Shea rapidamente dissipam a ideia de comum de que os anarquistas sejam favoráveis à desordem e ao terrorismo, explicando que, como o resto das pessoas, eles também desejam que essas regras sejam cumpridas.
Com isso em mente, Anarchism and Crime prevê que grande parte da terceira classe de criminosos desapareceria com a abolição do estado capitalista. David S. D’Amato, do C4SS, já escreveu sobre a relação entre o capitalismo e o crime, observando que o crime dentro das circunstâncias atuais reflete a falta de oportunidades econômicas — um problema sistêmico. Como D’Amato, Wilson e Shea acreditam que:
Se as pessoas pudessem trabalhar por conta própria — se recebessem todo o produto de seu trabalho através de um sindicato de trabalhadores — quase todas as motivações existentes para os crimes desapareceriam. Se você não precisasse pagar impostos e aluguéis, começando amanhã, seu poder de compra mais que duplicaria. Se outras formas de exploração e roubo, através dos juros do sistema financeiro, também fossem abolidas, seu poder de compra mais que quadruplicaria. Quanta inveja, quanta preocupação com dinheiro, quanto medo irracional, quantas úlceras, pesadelos, dores de cabeça e outras motivações para trapacear ou roubar um pouco sobreviveriam se essa simples justiça econômica fosse alcançada.
Para Wilson e Shea, grande parte do que se constitui como crimes reais naturalmente seria eliminada em uma sociedade em que as pessoas têm liberdade para escolher seus caminhos para a prosperidade. Boa parte dos assassinatos, fraudes e roubos são motivados por necessidade graças às oportunidades limitadas do capitalismo. O regime estatal capitalista garante que muitos cidadãos sejam colocados contra a parede sem a possibilidade de fazer escolhas econômicas significativas — sem poder trabalhar a não ser com a autorização do estado para quase todo ato. E essa permissão frequentemente é impossível obter, uma vez que muitas das proibições ao trabalho sob o capitalismo são intencionais e servem para proteger a elite da competição. Aqueles que estão presos nas engrenagens desta máquina econômica frequentemente devem recorrer à exploração dos vizinhos para seu sustento. A pura justiça econômica é uma das soluções anarquistas para o mal capitalista.
Aqui, devemos lembrar da lição de Sheldon Richman de que o anarquista não prevê uma utopia. Os anarquistas devem ter cuidado para não pintarem uma imagem perfeitamente rósea da situação de abolição do estado. As pessoas continuarão a ter problemas com ou sem o estado, mas os anarquistas preveem que haverá uma gama maior de soluções pacíficas disponíveis sem a existência do estado. Ao ver os estados como as maiores organizações criminais do mundo, os anarquistas estão conscientes dos enormes ganhos para a paz que seriam imediatamente garantidos pela sua abolição.
Wilson e Shea concluem Anarchism and Crime respondendo à objeção inicial: o que fazer com os “malucos violentos” — os membros da sociedade que cometerão crimes por prazer? Sua abordagem envolve prevenção e punição. Uma vez que os criminosos desapareceriam rapidamente com a liberdade econômica, muitos criminosos seriam dissuadidos de uma vida de crime em uma sociedade mais livre, com um sistema educacional e familiar mais permissivo.
Os autores acreditam que a atuação dos pais e das escolas em um mundo estatal é indevidamente severa, servindo para preparar as crianças para uma realidade brutal de um capitalismo canibalesco e de seu programa-irmão: a guerra. Ou seja, as crianças são suprimidas, tanto em casa quanto na escola, para se reajustarem aos rigores da vida sob o estado. Ao permitir “famílias abertas e escolas abertas” — essencialmente associações voluntárias no nível familiar — uma sociedade menos autoritária começa a florescer, onde as crianças passam a ter a mente mais aberta, se tornam menos violentas e se transformam em membros cooperantes da sociedade adulta. Grande parte da repressão sexual e moral atual também se diluiria sem a imposição estatal de um sistema educacional unificado, o que resultaria em homens menos agressivos e depravados — eliminando aqueles que são os maiores agressores do mundo atual.
Para os criminosos remanescentes, a “punição” seria radicalmente diferente na sociedade imaginada por Wilson e Shea. Os autores listam várias alternativas aos métodos violentos de punição exigidos pelo sistema criminal estatal. Ao invés da tortura, da prisão e da execução, os anarquistas do passado e do presentem exploram uma variedade de sistemas alternativos, como o ostracismo, a restituição e a indenização e sistemas de justiça privados. Ao invés de descartar essas ideias como absurdas e impossíveis, Wilson e Shea estimulam os leitores a considerar como esses sistemas foram usados historicamente e continuam a sê-lo atualmente com grande êxito em vários contextos não-estatais de pequena escala. Ao invés de prescrever uma forma particular de justiça criminal, Wilson e Shea simplesmente defendem a abolição total do estado para permitir que indivíduos e grupos moldem seus sistemas para melhor.
Enquanto observamos as terríveis injustiças perpetuadas pelo sistema estatal atual no noticiário da noite, talvez devamos passar a entreter as grandes ideias de Wilson e Shea.
submitted by O-Pensador to AnarquismoBrasil [link] [comments]


2019.08.12 17:22 nament1 Um pouco de teoria pra quem gosta

Você existe ?
Talvez não. Há uma corrente filosófica que prega que somente “eu” e, consequentemente, "minhas" experiências são reais. Todo o resto - incluindo as demais pessoas, árvores, móveis etc - são criações de "minha" mente. Trata-se do solipsismo.
É claro que, você que lê esse artigo e possui consciência de sua existência, tem certeza que existe e que, se essa teoria está correta, eu é que sou uma criação sua.
Portanto, para entender melhor, vamos colocar você (sim, você que está lendo esse texto) como o “ser existente”, para entender melhor o solipsismo.
Você existe. Eu, sua família, seus amigos, colegas de trabalho, pessoas que andam pela rua, enfim, todas as outras pessoas além de você, todas as plantas, prédios, árvores, flores etc, são criações de sua mente. Nós, as outras pessoas, não temos consciência, pois somos parte da SUA consciência. Nós não pensamos. Tudo o que fazemos e falamos é exatamente o que você criou.
Podemos ter uma certeza, ou, pelo menos, um de nós pode: “Eu existo”. A partir do momento em que você tem consciência de sua existência e "adere" ao solipsismo, tudo a sua volta se resume numa grande e complexa ilusão. Você existe e eu te digo que também existo. Mas eu não tenho como lhe provar que eu realmente existo e que não sou uma criação de sua mente, da mesma forma que você também não tem como me provar. Mas como você sabe que existe, a única certeza que pode ter é que, pelo menos, você, sem dúvida, é um ser ou, talvez, o único ser. Enquanto eu, posso existir de fato, ou não. Para você, eu sou somente uma possibilidade.
É nessa hora que começam a rir dessa teoria. Ela já foi ridicularizada por muitos pensadores, porém, assim como a fé, é algo impossível de provar que não é verdade.
Contudo, podemos pensar nas seguintes questões para argumentar contra o solipsismo:
Se sou eu que crio tudo à minha volta, por que…
não sou milionário?
acontecem coisas ruins na minha vida?
várias pessoas pelas quais me apaixonei não me corresponderam?
não tenho várias coisas que desejo?
sou surpreendido muitas vezes?
outras pessoas me ensinam coisas que eu não sabia?
São várias perguntas que, supostamente, tiram a lógica dessa teoria. No entanto, quando você sonha, você não tem tudo o que deseja, coisas ruins acontecem, você é surpreendido, você “aprende” coisas novas e tem vários amores não correspondidos. E o sonho, nada mais é do que uma criação de sua mente.
Porém, nos sonhos, você voa, transforma-se em animais e faz coisas inimagináveis na “vida real”. Dá para ficar louco ao se aprofundar no solipsismo, afinal, você também criou coisas inimagináveis, como bombas nucleares, holocausto, violência, estupro, assassinato, guerras por toda a parte e até o Bin Laden. Que mente suja a sua, hein?
Além disso, você também criou a banda Calypso, o funk carioca e o Big Brother. Tsc, tsc, tsc.
É interessante pensar que, como único ser existente, você criou muitas coisas que ama e que odeia. Criou pessoas melhores e piores que você, mais ricas e mais pobres, mais felizes e mais tristes… você criou uma balança, onde tudo é harmonizado pelo dualismo do bom e do ruim. Como se isso fosse algo necessário para que suas experiências em seu mundo o mantenham vivo (assim como no filme Matrix, onde o agente Smith explica que o mundo perfeito não deu certo, justamente por que era perfeito).
Eis então que você, mendigo que perdeu toda a família, vive na miséria absoluta e cheio de doenças, por alguma ironia do destino lê esse artigo e pensa: “Solipsismo o c…..! Eu sou consciente e não existe nenhuma vida pior que a minha”
Eu respondo: você é somente fruto de minha imaginação.
Acho que é com essa resposta que temos tantas desgraças no mundo. Políticos, o povo sofre! “E daí?”- pensam eles — “vocês não existem”.
submitted by nament1 to desabafos [link] [comments]


2019.07.09 12:18 lipherus Íbis — Capítulo I

Bom dia, é a primeira vez que escrevo em primeira pessoa e gostaria de opiniões. =)
“A voz dos deuses e escolhida de Thot. No começo, era apenas uma Oráculo. Depois, uma bruxa queimada na fogueira do deus pagão. Espírito vagante sem salvação. E agora, protegida pelo crepúsculo Retorna aos braços d’Aquele que sempre a amou. Sob as asas d’Ele, ela se abrigou. E descansou.”
O pequeno e singelo poema cortou o silêncio do salão. Eu estava trêmula e ofegante, pois estava atrapalhando a palestra do meu professor e a grande oportunidade de sua carreira. Os estudiosos olhavam para Heru e depois para mim, à espera de alguma cena dramática que não aconteceu. Ele apenas desceu do palanque e me alcançou, sorrindo e igualmente trêmulo ao tomar o papel de minhas mãos. Murmurou agradecimentos e disse estar surpreso com a tradução, porque aquelas palavras deixavam explícitas que os antigos egípcios eram capazes de prever o futuro. Prometeu uma conversa sobre o papiro depois e pediu que eu me retirasse, mas não sem antes me agradecer de novo. Ao fechar a porta, explodo em lágrimas emocionadas e cansadas. Traduzir o poema foi um trabalho árduo de quase quatro anos, para no final descobrir que Thot havia se apaixonado por uma mortal e enterrou seu corpo em uma tumba sem glamour. Ele queria que sua amada permanecesse anônima, mas que ainda soubessem a quem pertencia. Ela não tinha um nome e sequer corpo, todavia sua existência estava cravada nas paredes de pedra do sarcófago. Levanto-me orgulhosa e volto para o laboratório, à procura de mais pistas sobre os amantes. Havia algo que ainda não tinha visto nas marcas e, mexendo em alguns pertences, um pingente em forma de meia lua cai no chão. Não sou perita em metais preciosos, mas sei que seguro algumas boas gramas de ouro puro. Procuro por escritos no verso da peça, e nada encontro, salvo os hieróglifos que remetiam a Osíris e Thot. Um presente para o deus do submundo? Depois de catalogar o colar, volto minha atenção aos textos até sentir dor de cabeça e sentar na cadeira. — Nailah, o professor Heru te chama no salão de convenção. Engulo em seco e vou até ele, esperando uma bronca por ter interrompido a palestra. Porém, ao entrar, fui recebida por salvas de palmas fervorosas. Ele me abraça e pede que explique aos demais sobre a descoberta, já que o mérito da tradução é todo meu. Sinto um misto de vergonha e emoção, porque Heru não tomou os créditos para si e deixou que eu, uma mera assistente, falasse aos melhores profissionais do mundo por horas a fio. Ele ficou ao meu lado para explicar alguns termos que não conheço, simplificar perguntas e traduzir algum outro idioma que não entendo. Ao terminar, pude respirar. Estou tão cansada que é difícil manter os olhos abertos e pensar, mas eu ainda preciso falar com ele. Despeço dos outros por alguns minutos e Heru me abraça de novo, sugerindo um jantar antes de irmos para casa e dormir. Aceito e nós fechamos o laboratório depois de pegar algumas coisas. "Sob as asas d’Ele, ela se abrigou.” É engraçado como essa frase ecoa na minha cabeça quando estou andando lado a lado com Heru. Eu o conheço há quase dez anos e nunca deixei de me sentir protegida e iluminada por sua presença. Ele é alto e imponente, com a pele tão preta que é quase avermelhada, e olhos espertos e pretos. Mas, basicamente, Heru Monterrey é um cachorro grande e bonachão que ladra e não morde. É muito fácil deixá-lo magoado e à beira de lágrimas, se quer saber. E eu amo ver esse lado sensível e frágil do meu professor, pois o torna humano e acessível. Ninguém imagina que um pesquisador de renome como ele é coração mole. — Eu encontrei isso. — entrego o colar em suas mãos. — Estava perdido no meio dos papéis. Parece que é uma oferenda a Osíris e Thot. — Ou uma oferenda de Thot para Osíris? Coço a cabeça e suspiro. — Não tinha pensado nisso. — confesso. — Nailah, você está esgotada e eu acho que deva tirar umas férias. — ele toca no meu rosto. — Eu estou pensando em dar um tempo também, podemos viajar juntos. — Quem convida é quem paga, viu? — empurro ele com meu ombro e sorrio. — Seria uma bênção poder dormir até tarde. — Pode ficar com a lua. Pego o colar e olho pra ele, chocada. Sabe-se lá de quando é a oferenda e Heru estava entregando casualmente pra mim, como um pingente comprado numa loja qualquer. Abro a boca inúmeras vezes, mas nenhuma palavra decente sai dela e só me limito a levantar as tranças pra facilitar o trabalho dele. Heru me julga por um tempo, ajeita e mexe no colar até deixá-lo bem em cima do meu coração e ficar satisfeito. — Tem certeza? — murmuro. — Isso é da sacerdotisa e não quero que Thot venha me assombrar. — Se Ele deu pra amada d’Ele, acho que não ficará bravo se eu der pra minha, não acha? Abaixo os olhos, subitamente tímida. Nós sempre brincamos com nossos colegas, que consideravam-nos namorados, mas ele nunca falou tão sério quanto aquele momento. Mordo meus lábios e seguro sua mão, sem dar resposta, mas deixando claro que se aquele é o sentimento dele, então é recíproco. Às vezes palavras não ditas fazem mais efeito do que aquelas expressadas aos quatro ventos. — Comida japonesa? — Heru pergunta para quebrar o gelo. — Depois umas doses de anti-histamínico pra não morrer de alergia? — Combinado. Saber que ele é apaixonado por mim tanto quanto sou por ele fez um bem danado pra minha auto-estima. Se antes e em algum momento da minha vida achei que não era bonita ou capaz, estava completamente enganada. Ouvir dos lábios dele que minha inteligência e devoção foram fatores cruciais para que ele se interessasse, tornou-me tão inchada quanto um balão. Depois, Heru começou a enumerar minhas qualidades físicas e só parou quando eu estava com a cara quente e prestes a surtar. Eu sou brasileira e me orgulho disso. Meu país tem os problemas dele, assim como os Estados Unidos também têm, mas nunca pensei que estudar na Unesp ia me levar até onde estou. Lembrei das noites acordada estudando infindáveis textos, das vezes que quis desistir e da minha felicidade por ter sido aprovada na faculdade que ele dá aula. E passei a amar meu corpo em forma de pera, os cabelos trançados e coloridos e, acima de tudo, a cor da minha pele. Antes tinha um grande tabu comigo mesma, por ser preta e ter uma posição de destaque, mas conforme fui aprendendo na faculdade e com a vida, percebi que estar ali é um mérito do meu esforço triplicado. No final da noite, eu e Heru transamos e dormimos juntos. Foi o momento em que eu o vi mais vulnerável, conheci cada cicatriz de seu corpo, os problemas que tinha, as marcas... Tudo. Ele se entregou completamente e assim também fiz, mostrando-lhe as feridas que tenho da época em que me afundei em depressão e cortei meus braços e pernas. — Bom dia. — ouço seu preguiçoso resmungo enquanto ele aperta minha barriga. — Agora posso morrer em paz. — Quer parar com isso? — começo a rir e abro meus olhos. — Bom dia. — Eu sempre quis apertar sua, como é que você chama? Pança. — seu português falho é particularmente adorável. — Eu amo essas dobras, sabia? — Heru! Para, sua mão tá gelada! — Tá bom, tá bom. Permissão pro abraço? — Concedida, senhor Monterrey. Enquanto ele toma banho, vou preparando o café da manhã. É inconsciente, mas eu checo minha barriga e conto as dobrinhas, três no total, pensando em como Heru pode achar aquilo interessante. Ouço seus passos ecoando pelo corredor e me viro para olhá-lo, namorando a cena do homem enrolado na toalha e molhado ainda. Ele se aproxima e ajeita a lua, jogando as tranças sobre meus peitos para tapá-los e evitar que eu pegue mais friagem. Seguro sua mão em meu rosto e fecho os olhos, sorrindo como a trouxa que sou. — Vai querer viajar? — Onde pretende ir? — roubo um selinho dele antes de servir a mesa. — Não vai entregar o artigo científico sobre a tradução? — Não está escrito em lugar algum que sou obrigado a trabalhar durante minhas férias. — ele dispara. — Pensei em alguma praia, sei lá. — Negão desaforado. — acerto a colher de pau na cabeça dele. — Praia é muito clichê e eu não sou muito fã do frio. — Patroa difícil de agradar, viu? Sento ao seu lado e começo a rir. Ele está tão à vontade que até parecemos casados há eras, e eu só sinto que vou desmanchar de felicidade. Nós conversamos um pouco mais sobre a tradução e Heru corrige o inglês, reclamando do quanto sou ruim para escrever. Tal afirmação me ofendeu um pouco, já que escrevo fanfics durante minhas folgas e nem formado nisso ele é. Começo a julgá-lo em silêncio e ele percebeu que tinha me magoado, em seguida pediu desculpas atrapalhadas e disse que ama minha escrita. — Como você imagina Thot de personalidade, Nailah? — Meio parecido com você, mas muito mais apaixonado pelo trabalho. Ele foi um carinha muito ocupado, até ajudar Osíris no submundo ajudou. — acendo meu baseado e deito no sofá enquanto Heru escreve no computador. — Curou o olho de Hórus quando Seth arrancou, depois ensinou magia para Ísis poder reviver o marido, luta contra Apófis quando Amon-Rá traz o sol... Tudo isso e ele ainda fez o calendário e desenvolveu os hieróglifos. — Você tem uma admiração enorme pelos deuses, hum? — A mitologia egípcia é linda, se me permite dizer. Tudo é tão conectado e diferente ao mesmo tempo... A gente não sabe nem um terço do que eles acreditavam e criavam. — E a sacerdotisa? — Não tenho uma imagem dela. — ofereço o cigarro pra ele. — Mas deve ser alguém de personalidade parecida com a de Thot, porque ela pegou o cara pelo colarinho mesmo. Uma pena que não seu nome em lugar nenhum, ia ser muito interessante conhecê-la melhor para entender como funciona esse lance de deuses e amores mortais. — Você viu isso? Sento no colo dele para ler o artigo de um colega nosso, o qual afirmava que Sekhmet e Anúbis tinha um relacionamento secreto. Para mim e meu conhecimento, a afirmação é errada pois eles eram deuses sem sintonia alguma. Ela é a deusa da guerra, tão furiosa que Rá precisou enganá-la com vinho para acalmar seu frenesi sangrento. Já ele parece ser mais pacato e melancólico, servindo fielmente ao propósito do julgamento da pena e à proteção da mumificação. Parecia impossível imaginá-los juntos. Ao terminar de ler, porém, comecei a ter minhas dúvidas sobre o que conhecia até então. — Será que existe algum documento que prova essa teoria? — Antes de Osíris ser quem é, Anúbis tinha o mesmo papel que ele. — Heru contestou ao soprar a fumaça na minha nuca. — Se Sekhmet matou os homens através de sua ira, é bem provável que tenha o encontrado durante a caminhada. — Mas tem uma teoria que diz que Sekhmet é uma face de Hathor e Bastet... Será? — Em Mênfis, ela foi esposa de Ptah e mãe de Nefertun até Mut e sua Tríade tomar lugar e ela passar a considerada como a própria Mut. Nossas informações são bem escassas e temos várias ideias do que pode ou não ser. Cada região tinha seu próprio mito, quem sabe o Richard esteja certo e apenas olhando para outro lugar que não vemos? Deixamos a discussão pra lá quando pegamos fogo levados pela maconha. Quando paro pra pensar nisso, me sinto um pouco culpada por levá-lo ao mau caminho, apesar dele ser bem mais velho que eu. Mas a erva funciona como uma válvula de escape para nós e não é algo que fazemos sempre, resumindo nossas brisas às escavações e trabalho. Pela primeira vez desde que fazemos isso, é que nos preocupamos em elevar a coisa para um nível mais pessoal e físico. Eu namoro o rosto distraído dele e lembro de tratar os arranhões que deixei em suas costas, ouvindo-o dizer coisas em árabe que não fazia nem questão de traduzir. Heru levanta-se num supetão e vira o meu colar, anotando os hieróglifos em um papel improvisado e resmunga ao voltar a deitar. Já sei que tenta entender a oferenda e pronuncia as palavras em sequências variadas, até fazer sentido. Toco em seu lábio para fazê-lo se calar e me aninho em seu abraço. Só hoje, querido, não falemos em trabalho. Roço meu nariz por seu rosto quadrado e reclamo da barba áspera, mas sinto-me protegida por seus braços e mãos sempre geladas. Heru beija a minha testa e desenha com os dedos na minha bunda, me fazendo rir. Ele se lembra de me agradecer pela tradução de novo e mais outras vezes, reforçando o quão honrado se sentiu por me ter como sua assistente, amiga e agora parceira. Confessa que estava a um passo de desistir do texto e eu, novamente, rogo-lhe que não falemos de trabalho. Mas meu amado professor não está contente e me implora para que façamos um artigo sobre Thot e sua amante ao voltarmos de férias.
submitted by lipherus to EscritoresBrasil [link] [comments]


2016.06.12 21:24 shirleioliveira A IMPORTÂNCIA DAS FÁBULAS NA LITERATURA INFANTO - JUVENIL

Acadêmicos: Cristiane Cardoso da Silva Mat: 327818, Damarys Oliveira da Silva de Paiva Mat: 714725 Karita Marreiros Mat: 917241 Rita de Cassia Mat: 863453 Shirlei de Sousa Oliveira Mat: 785936 Professor-Tutor Externo: Clebson Peixoto Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI Curso (LED 0259) – Prática do Módulo V 21/05/16
RESUMO: A intenção desse trabalho é mostrar que a literatura é uma manifestação artística e que possui uma comunicação importante que atua como tecelã da linguagem e a transmissão do conhecimento das expressões humanas. O objetivo deste trabalho é abordar quanto ao gênero, fábulas e a importância da literatura na formação do ensino fundamental e no EJA (Educação de Jovens e Adultos) da Escola Elcione Barbalho, localizada no bairro Liberdade da cidade de Marabá-PA, na literatura infanto - juvenil buscamos através de referência documentos, revistas, jornais, livros, pesquisa de campo e internet. Este estudo aborda o papel da escola na formação do individuo, buscando incentivar a escrita e a leitura para assim facilitar o seu desenvolvimento social e emocional, onde iremos utilizar a didática pedagógica da literatura infantil, baseado nas ideias dos seguintes autores: Cândido Antônio, Azevedo, Bruno Betteilheim.
Palavras Chaves: Fábula. Ensino. Educação. Literatura Infanto-Juvenil.
1 INTRODUÇÃO: Neste trabalho apresentamos a didática para a utilização da importância das fábulas na literatura infanto - juvenil, onde levaremos em consideração a importância dos contos de fábulas para a construção do seu imaginário. Este estudo se baseará em autores como Bruno Betteilheim, Cândido Antônio e Azevedo, que tratam de contos de fábulas, cada autor tem uma área específica.
 O objetivo desse trabalho é mostrar que a literatura é uma manifestação artística e também observar a influência dos contos de fábulas no imaginário infanto - juvenil da escola Elcione Barbalho na cidade de Marabá-PA. Acreditamos que os contos de fábulas ajudarão os jovens no ensaio de vários papéis sociais, proporcionando a construção de uma personalidade sadia e também promover a socialização. A troca de experiência é uma maior inserção no grupo social assim promovendo o desenvolvimento da imaginação, da criação, da percepção de mundo a partir das possíveis interpretações dos contos de fábulas. A importância do nosso paper que seja ,um arquivo para pesquisas futuras. Este trabalho utilizou-se em duas etapas de pesquisas sendo que uma etapa foi de observação da prática pedagógica das professoras e uma segunda etapa onde ela trabalha a oralidade e a produção textual , ortografia e linguística. Dentro das problemáticas encontradas buscamos analisar, investigar a importância das fábulas como gênero literário dentro de sala de aula e também levantamos questionamentos em relação a problemas na prática da docência em relação ao gênero literário. Como as professoras utilizam as fábulas em sala de aula na aprendizagem e aumento da cognição do aluno? Como a instituição escola trabalha a literatura para fazer leitores nos estudos observados. 
2 Entendemos por literatura: Uma comunicação de caráter humano, que utiliza de vários recursos seja humano, físico, material, intelectual, social, estético, formador, educador, lúdico entre outros recursos , transferindo aprendizagem, saber, conhecimento, instrução e valores próprios da alma humana através do diálogo significativo ficcional / real desta forma de expressão e produção intelectual humana objetivando a interiorização, a identificação, a inserção e a transformação do indivíduo em seu meio ou sociedade. Podemos definir a literatura como: produção intelectual, expressão artística humana. Azevedo (2007, p.215) afirma que:
“A importância da literatura é indiscutível pois é através dela que nos relacionamos com os valores humanos mais nobres e os mais baixos como o amor e ódio, a bondade e a maldade, a inveja e a solidariedade, a angústia e a alegria , o ciúme e a caridade a soberba e a humildade entre outros”. Cabe a Literatura a finalidade de transformar por meio da escola a expressão artística com o decoro a instrução dos jovens. Neste paper a literatura é considerada em sua funcionalidade formadora e educadora para criar leitores. Antônio Cândido nomeia três funções para a literatura: Função Psicológica : Capacidade individual de fantasiar pela ficção, Função Formadora: Formação e educação do ser humano movida por ideais, Função Humanizadora: Humaniza em sentido profundo porque faz viver. O atuar do diálogo com o texto quer seja por meio do professor para com o aluno, ou por meio de indivíduo para um grupo de pessoas nos ajuda a compreender a literatura. Através de uma aprendizagem sócio interacionista e sócio construtivista (Piaget e Vygotsky). Observamos então a importância de fazer leitores assíduos pelos textos literários, que auxiliam na cognição do indivíduo com criatividade e compreensão do mundo que o rodeia . A fábula o qual trabalhamos no paper e procuramos investigar através de pesquisa documental em arquivos de órgãos públicos e instituições privadas assim também informativos, revistas, anais, relatórios de pesquisa, periódicos , cujo autores que baseiam e norteiam a nossa pesquisa de caráter, qualitativo e quantitativo são Antônio Cândido, Bruno Bettelheim e Azevedo, trabalhamos também com a pesquisa de campo entrevistando alunos e duas professoras de língua portuguesa de uma escola de ensino fundamental localizada no bairro da liberdade no município de Marabá, uma escola que faz parte de um projeto social do governo federal para alunos do EJA ( alunos com idade variante de 15 a 25 anos ) cuja pesquisa foi feita com questionários com perguntas previamente elaboradas. Segundo o dicionário Aurélio (2000, p.30) a fábula é uma narração breve cujas personagens via de regra são animais que pensam, agem e sentem como os seres humanos. Esta narrativa tem por objetivo transmitir uma lição de moral. Alguns escritores de fábulas são : Esopo, temos também os brasileiros Monteiro Lobato e Leonardo Boff obra em destaque (a águia e a galinha ) cuja fábula será abordada neste paper. No primeiro passo da pesquisa, será mostrado aos alunos através de recursos audiovisuais e no segundo passo os alunos serão observados para análise de interpretação de texto, ortografia , linguística e oralidade. Os objetivos deste paper abordam a questão da importância do trabalhar as fábulas em sala de aula descrevendo e realizando o diagnóstico necessário no cotidiano escolar. Sendo que esta pesquisa está dividida em três capítulos distintos: No primeiro capitulo Observação didática sobre a fábula pela professora regente da turma, no segundo capitulo a análise foi feita para Verificando se a professora reconhece a importância de trabalhar as fábulas em sala de aula o terceiro capítulo procura Analisando o impacto que a fábula tem sobre a realidade do educando. Para a realização deste trabalho a fábula foi escolhida por ser um gênero literário de narrativa curta e de fácil entendimento para o aluno auxiliando-o na aprendizagem de uma forma diferenciada , prazerosa e atrativa. A fábula estudada foi encontrada na internet assim como o vídeo . As professoras trabalham em sala de aula com um livro chamado o Guia de Estudo Integrado Unidade Formativa I , que possui todas as disciplinas fundamentais como Português, Matemática , Geografia ,Ciências, Inglês e História. Todos os alunos possuem livros que foram dados pelo Governo Federal. Este paper busca compreender, analisar e investigar a importância da fábula como gênero literário dentro da sala de aula, e levantar questionamentos em relação a problemas como é a prática da docente em relação gêneros literários? A fábula utilizada está de acordo com o nível de desenvolvimento do aluno ? Neste estudo foi observado a prática pedagógica das duas professoras de língua portuguesa, de que forma as atividades literárias estão sendo desenvolvidas em sala de aula e se estas professoras estão formando leitores que apenas leem ou leitores que leem e tem uma visão critica acerca da leitura e quais as dificuldades encontradas por estas professoras ao usar a fábula em sala de aula e de que forma elas podem intervir para resolver os problemas. O ambiente de sala de aula foi preparado para receber os alunos como se fosse um clima de cinema, na sala estava instalado o data show com o vídeo da fábula a na biblioteca da escola, os alunos estavam sentados confortavelmente em suas carteiras, sendo que aos alunos foi permitido que levassem pipoca,com a luz apagada eles assistiram ao vídeo logo após foi feito pelas professoras uma explanação oral sobre a fábula e a culminância desta atividade se deu de forma de uma produção textual ( síntese ) escrita sobre a compreensão daquela fábula. A professora da turma acredita que as fábulas motivam os alunos a estudar, auxiliando na oralidade e a produzir textos. Ao passo que a expectativa das duas professoras de língua portuguesa em relação a aprendizagem do aluno eram : Falar sobre o significado da representação do papel de cada animal apresentado e qual a funcionalidade moral da fábula e compreender a literatura, objeto de aprendizagem, que assimila a vida real através da ficção os resultados obtidos a partir deste estudo foram satisfatórios pois pudemos sanar algumas dúvidas e questões em relação ao tema fábulas. 3 Observação didática sobre a fábula pela professora regente da turma. As educadoras se preocuparam com aspectos a temas motivacionais com as fábulas , que transmitem esperança , perseverança já que os alunos do EJA são pessoas que trabalham o dia todo e a noite ainda vão estudar, sendo que a maioria dos estudantes são mulheres , tem um caso de uma aluna que vai estudar e o marido que não é estudante da escola, fica esperando na cantina as quatro horas de aula a mulher terminar os estudos. Tem casos também de mulheres que engravidaram e tiveram que deixar de estudar, mas como o programa oferece creche para as alunas, tiveram oportunidade de estudar ou são pessoas que abandonaram os estudos por vários motivos: dificuldades econômicas, sociais, geográficas, culturais etc.. A professora também preocupou se os alunos já tinham conhecimento prévio da fábula, todos responderam que não. Outra preocupação em trabalhar fábulas para EJA de ensino fundamental é não praticar infantilização dos textos pois são pedagogias diferentes. A simbologia da fábula a águia e da galinha é interessante e vai de acordo com o interesse que cativam o aluno, a fábula trabalha o paradoxo e a ambivalência entre os dois animais pois a águia tem o significado de que ela é uma vencedora e ela pode voar e conquistar novos horizonte , enquanto a galinha é um animal da terra que fica ciscando o chão, que está preso a terra e não pode voar. Inicialmente a produção das fábulas no novo mundo foi disseminada por Esopo foi somente com Jean de La Fontaine que elas tiveram uma característica educacional e artística, as fábulas com o decorrer da história foram de adaptando aos novos tempos sendo que com Jean de La Fontaine as fábulas apresentaram característica oral e foram trabalhadas as simbologias, exemplificando a águia tem uma simbologia de vencedora enquanto a galinha tem uma simbologia de conformidade. Como as fábulas possuem caráter antropomórficos em que os animais possuem a capacidade de projetar-se como seres humanos com sentimentos e valores morais humanos, foi feita esta comparação simbolicamente para que os alunos se identificassem com a história e quiçá transformassem o meio em que vivem . Podemos perceber que as professoras tinham uma boa formação pedagógica a fábula não ficou infantilizada e auxiliou no desenvolvimento e aprendizagem dos alunos. Fábula utilizada em sala de aula : A águia e a galinha Era uma vez um camponês que foi à floresta vizinha apanhar um pássaro para mantê-lo cativo em sua casa. Conseguiu pegar um filhote de águia. Colocou-o no galinheiro junto com as galinhas. Comia milho e ração própria para galinhas. Depois de cinco anos, este homem recebeu em sua casa a visita de um naturalista. Enquanto passeavam pelo jardim, disse o naturalista: – Esse pássaro aí não é galinha. É uma águia – De fato – disse o camponês. É águia. Mas eu a criei como galinha. Ela não é mais uma águia. Transformou-se em galinha como as outras, apesar das asas de quase três metros de extensão. – Não – retrucou o naturalista. Ela é e será sempre uma águia. Pois tem um coração de águia. Este coração a fará um dia voar às alturas. – Não, não – insistiu o camponês. Ela virou galinha e jamais voará como águia. Então decidiram fazer uma prova. O naturalista tomou a águia, ergueu-a bem alto e desafiando-a disse: – Já que você de fato é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, então abra suas asas e voe! A águia pousou sobre o braço estendido do naturalista. Olhava distraidamente ao redor. Viu as galinhas lá embaixo, ciscando grãos. E pulou para junto delas. O camponês comentou: – Eu lhe disse, ela virou uma simples galinha! – Não – tornou a insistir o naturalista. Ela é uma águia. E uma águia será sempre uma águia. Vamos experimentar novamente amanhã. No dia seguinte, o naturalista subiu com a águia no teto da casa. Sussurrou-lhe: – Águia, já que você é uma águia, abra suas asas e voe! Mas quando a águia viu lá embaixo as galinhas, ciscando o chão, pulou e foi para junto delas. O camponês sorriu e voltou à graça: – Eu lhe havia dito, ela virou galinha! – Não – respondeu firmemente o naturalista. Ela é águia, possuirá sempre um coração de águia. Vamos experimentar ainda uma última vez. Amanhã a farei voar. No dia seguinte, o naturalista e o camponês levantaram bem cedo. Pegaram a águia, levaram para fora da cidade, longe das casas dos homens, no alto de uma montanha. O sol nascente dourava os picos das montanhas. O naturalista ergueu a águia para o alto e ordenou-lhe:- Águia, já que você é uma águia, já que você pertence ao céu e não à terra, abra suas asas e voe! A águia olhou ao redor. Tremia como se experimentasse nova vida. Mas não voou. Então o naturalista segurou-a firmemente, bem na direção do sol, para que seus olhos pudessem encher-se da claridade solar e da vastidão do horizonte. Nesse momento, ela abriu suas potentes asas, grasnou com o típico kau-kau das águias e ergueu-se, soberana, sobre si mesma. E começou a voar, a voar para o alto, a voar cada vez mais para o alto. Voou… voou… até confundir-se com o azul do firmamento…” (Fonte http://www.catequisar.com.bmensagem/reflexoes/06/msn_147.htm)
4 Verificando se a professora reconhece a importância de trabalhar as fábulas em sala de aula : No momento da entrevista duas professoras respondiam ao questionário e com suas respostas conseguimos chegar ao objetivo geral do paper aonde trabalhamos a importância de se trabalhar fábulas em sala de aula. Nesta fase a professora número 1 respondeu que a importância é que a fábula motivava os alunos, enquanto a professora 2 respondeu que a fábula desperta a construção do caráter da cidadania dos alunos. Analisando as perguntas e as respostas desta pesquisa podemos perceber quando a professora 1 responde que trabalhar fábulas em sala de aula motiva os alunos, logo eles conseguem se identificar com os personagens da fábula pois quando o escritor cria um modelo de personagem tem essa concepção de ser , de fazer com que o leitor se identifique com um dos personagens, identificando quer seja com a simbologia ou característica que este personagem tem na sua vida , acontece então esta transcendência do mundo fictício para o mundo real Betteilheim (2007, pag. 54). Quando a professora 2 responde sobre a utilização de fábulas para os alunos é que ela desperta a construção do caráter do aluno , podemos então entender nesta frase a função formadora de instrução educacional da fábula. Segundo Coelho (2000, pag. 40) a terceira fase da leitura que abrange as crianças e os adolescentes, ou seja, a fase do leitor critico ( a partir dos 12/13 anos ) Aonde o leitor já possui uma capacidade , habilidade de refletir e ter pensamentos críticos em relação a textos e em relação a leitura que lhe é apresentada. Outra importância de se trabalhar fábulas em sala de aula, que as professoras reconheceram foi a facilidade que a fábula tem na produção e interpretação do texto, auxiliando também na oralidade, na ortografia e na linguística. Percebe-se isto na resposta das entrevistas quando a professora 1 disse que o objetivo de utilizar fábulas em sala de aula seria a sua facilidade no entendimento que ajuda na interpretação de textos, sendo que a professora 2 respondeu que a fábula possui um valor diagnóstico pois identifica qual aluno possui mais facilidade na interpretação de texto, quando foi perguntado para a professora quais os resultados alcançados a professora 1 respondeu que a fábula auxilia na produção de pequenos textos , na interpretação , na oralidade, ortografia e na linguística . A fábula sendo uma narrativa geralmente curta ,considerada um gênero de característica universal aonde pode ser captada de um modo simples que remonta aos antepassados humanos desde a contação de estórias nos interiores das cavernas ou entre os descansos após as caçadas. Justificando assim a facilidade do gênero fábula em se trabalhar interpretação produção e oralidade em sala de aula , pois o aluno ao produzir e interpretar textos é desafiado a usar a criatividade, a reflexão , o senso critico na escrita auxiliando na ortografia pois ele vai ter que exercitar a gramática da língua portuguesa em sua atividade de sala de aula , em quanto o auxilio na fábula na oralidade se dá, quando a professora questiona oralmente ao aluno quanto ao o que ele entendeu sobre a fábula apresentada no ambiente escolar, esta metodologia incentiva até os alunos mais tímidos a se expressar oralmente, entretanto quando a professora 1 fala que a fábula auxilia também na linguística do aluno ela se refere que a fábula pode também trabalhar as variações linguísticas e o regionalismo em sala de aula, o exemplo deste, são as fábulas do famoso escritor brasileiro Monteiro Lobato. 5 Analisando o impacto que a fábula tem sobre a realidade do educando . Utilizamos a amostragem de 35 alunos para compreendemos esta investigação. Através do método de observação e realização de um formulário quantitativo Por mediação da literatura os valores da humanidade são apresentados aos alunos quando no primeiro momento de nossa pesquisa a professora dentro da biblioteca e apresentando o vídeo perguntou no final se eles entenderam a fábula e se eles queriam ser águia ou galinha? Todos os alunos responderam que queriam ser águia , os alunos se identificaram com águia de simbologia vencedora, conquistadora e heroica despertando neles sentimentos motivados por valores humanos como orgulho, desejo, vontade , esperança, virtude e coragem, desejo de serem vencedores como a águia . Portanto a maioria dos alunos são de baixa renda e através da educação poderia conseguir um bom emprego como foi o caso de uma aluna que comentou que estava estudando para concluir o ensino fundamental porque ela no serviço de faxineira de uma siderúrgica tinha perdido uma promoção , de trabalhar de secretária porque não tinha o ensino médio. Com a sua função humanizadora, a fábula, formou leitores e produtores de pequenos textos, apesar de alguns problemas enfrentados ( ponto fraco em relação a fábula é que quando existem alunos semianalfabetos, ou analfabetos funcionais as fábulas devem ser trabalhadas oralmente ou através de recursos audiovisuais) pela professora e pelos alunos, na questão de alfabetização e letramento e dificuldades ortográficas , pois alguns alunos não sabiam ler e escrever corretamente entretanto a intervenção da professora para sanar estes problemas foi aulas de reforço escolar. A fábula trabalhada em sala de aula teve um impacto social na vida destes alunos pois a fábula a águia e a galinha despertou a vontade de transformação e inclusão social deste alunos. 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com a regência feita em sala de aula , os resultados obtidos a partir dos estudos foram esclarecedores . Analisamos que as fábulas desenvolvem a capacidade da criança e do jovem de fantasiar , e na criatividade, outras contribuição foram interpretação e produção de textos, ortografia e linguística, os problemas que surgiram durante a pesquisa foram dificuldades de letramento e alfabetização aonde a intervenção foi aulas de reforço. Observamos também que é boa a prática pedagógica das professoras, e os textos estavam de acordo com o desenvolvimento dos alunos, sendo que esta pesquisa nos levou ao conhecimento e contribuição para futuras pesquisas aos estudos de fábulas e entendimento sobre que as fábulas têm no processo de formação da criança e jovens.
 Questionário 
1) Qual a importância da utilização de fábulas para os alunos ? Professora 1 R= A motivação que a fábula proporciona ao aluno Professora 2 R= Temos que despertar a construção do caráter da cidadania dos alunos 2) Qual o objetivo de usar fábulas ? Professora 1 R= Porque a fábula é um Gênero Textual de fácil entendimento auxiliando na interpretação de textos . Professora 2 R= A fábula tem um valor diagnóstico pois através dela podemos perceber quais os alunos possuem facilidade de interpretação 3)Como a professora utiliza estas fábulas em sala de aula ? Professora 1 R= Usamos com a ajuda de recursos audio visuais no primeiro momento em sala de aula depois fazemos atividades orais e escrita. Professora 2 R= Data Show , depois questionário com pergunta e respostas. 4)Quais eram as fábulas utilizadas? Professora 1 R= O Coordenador envia as fábulas que são iguais para todos os professores foram elas a fábula da galinha e da águia, a fábula do porco espinho e a fábula da raposa e do lenhador. Professora 2 R= A fábula do porco espinho ,a fábula da raposa e do lenhador, a fábula da galinha e da águia 5) Quem eram os autores ? Professora 1 e Professora 2 R= Esopo ,Leonardo Boff, Irmãos Grimm 6) Quais os resultados alcançados ? Professora 1 R= A fábula auxilia na interpretação de textos, na produção de pequenos textos, na ortografia e na linguística Professora 2 R= Ajuda na interpretação de texto , na oralidade pois os alunos tem que contarem o que eles entenderam do texto.
 Tabela com a observação de alunos 
1) Quantos alunos se mostraram interessados em assistir o vídeo da fábula a águia e a galinha. Todos os 35 alunos 2) Quantos alunos se identificaram com a fábulas ? Todos os 35 alunos 3) Quantos alunos se expressaram oralmente 3 três 4) Quantos alunos conseguiram fazer a síntese do texto ? 25 alunos 5) Quais problemas enfrentaram ? Letramento e alfabetização
6) A fábula estava de acordo com a faixa etária do aluno , para que não ocorresse infantilização do Texto? Sim 35 alunos
 Foto 1 Apresentação do vídeo da fábula aos alunos Fonte : https://projovemelcionebarbalho.blogspot.com/ Foto 2 No segundo momento os alunos estão fazendo a produção textual escrita, sobre a fábula. Fonte : https://projovemelcionebarbalho.blogspot.com/ 
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BETTELHEIM , Bruno. A psicanálise dos contos de fadas. 26. ed. São Paulo: Paz e Terra.2007 RIBEIRO, Helena. Livro, 2012. Disponível em: < http://www.helenaribeiro.com/livro-voce-a-aguia-e-a-natureza/a-historia-da-aguia-e-a-galinha>Acesso em 29 mar.2016 ROCHA,Janaina. Monografia, 2011. Disponivel em : http://www.uneb.bsalvadodedc/files/2011/05/Monografia . Acesso em 30 mar.2016 SANTOS, Abraão Junior Cabral. et al. Literatura infantojuveni. Indaial, SC: Uniasselvi, 2013. Fontes: Cartilha do curso de licenciatura em letras Diretrizes da disciplina seminário da Prática http://www.webartigos.com/artigos/a-importancia-da-literatura-para-o-desenvolvimento-da-crianca/9055/ http://www.catequisar.com.bmensagem/reflexoes/06/msn_147.htm http://www.estudopratico.com.bfabula/ http://www.histedbr.fe.unicamp.bacer_histedbjornada/jornada11/artigos/9/[email protected] http://www.infoescola.com/literatura/literatura-infanto-juvenil/ http://literatura.uol.com.bliteratura/figuras-linguagem/37/artigo225090-1.asp https://projovemelcionebarbalho.blogspot.com/
http://www.recantodasletras.com.bteorialiteraria/278085 http://www2.uefs.bdla/graduando/n4/n4.13-23.pdf
submitted by shirleioliveira to literatura [link] [comments]